quinta-feira, 8 de julho de 2010

Aborto e violência doméstica


Há uns tempos atrás, neste blogue, referi-me à associação que existe entre aborto e violência doméstica.

Em muitos casos, se incluirmos também no conceito de violência doméstica, a violência psicológica, o aborto não é mais do que a expressão de uma coacção que é promovida pelo parceiro da mulher.

Na altura, um comentador anónimo refutou o que eu defendi, dizendo que tal não correspondia à realidade.


Ser contra o aborto é também ser a favor de uma verdadeira libertação da mulher em face das pressões, quase sempre cobardes, do progenitor ou da própria família.

Ser a favor do aborto é permitir e consentir que, na prática, essas pressões físicas e psicológicas condicionem a livre vontade da mulher.

1 comentário:

João disse...

lamento , tem que se pensar mil vezes para bater numa mulher, nao so assim como em qualquer ser humano.