sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

FPV contra adoção gay



COMUNICADO

Federação Portuguesa Pela Vida

Manifesta-se contra adoção por casais homossexuais



A Federação Portuguesa Pela Vida (FPV) entende que o princípio da vida está e estará sempre ligado à união entre masculino e feminino, homem e mulher. Entendemos que esse modelo de afeto de um homem e uma mulher deve manter-se, sempre que possível, no crescimento e na educação das crianças. O princípio feminino e o princípio masculino servem de base não só à vida, como à integração da própria criança no mundo que a rodeia, como dois contributos que se completam nas suas diferenças.

Sabemos que há muitas situações onde isso não acontece: há crianças sem pais que cuidem delas, há casais que se separam, há casais em que um deles morre, há crianças a viver só com a avó, um tio ou uma tia. Mas o princípio de dualidade (que traduz a génese da vida) está sempre presente e é, a nosso ver, necessário para o crescimento humanamente harmonioso da criança.

Isto não traduz uma discriminação dos homossexuais, pelo contrário, é uma confirmação do princípio da igualdade, que exige o tratamento igual para situações iguais, e diferente, para situações diferentes.

De uma união homossexual nunca surgiu nem nunca poderá surgir a vida. Vedar a adopção por homossexuais é reafirmar que a criança tem o direito a crescer num ambiente o mais próximo possível do que seria o dos seus pais. É permitir à criança que verifique, no seu dia a dia, que foi fruto de uma união de um homem e de uma mulher. E que a vida não pode surgir senão desse modelo de entrega.

Subverter este princípio é desumanizar a pessoa, é instrumentalizá-la, é fazer dela um meio e não um fim, é torná-la alvo de um direito dos outros.

Pode recorrer-se a engenharias para conceber, pode pensar-se em alugar barrigas para transportar os filhos, pode até imaginar-se uma sociedade em que a vida humana surja, toda ela, em ambiente de laboratório.

Mas esse é um mundo assustador, onde falta o que dá sentido e resposta a qualquer vida humana: o amor, o amor total de um homem e de uma mulher, o único capaz de gerar uma vida e de a proteger sem trair a humanidade.





Federação Portuguesa Pela Vida

Fevereiro de 2012

2 comentários:

Anónimo disse...

Como dizia Einstein: é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.

Anónimo disse...

Sem entrar de forma objetiva nas considerações e posicionamentos do vosso Blog, embora participe ativamente da discussão de muitos assuntos na Rede. Aqui também, estou participando, porquanto estou recebendo informações... E quanto à idéia de receber e fornecer informações agradeço o espaço, e peço e também sugiro a leitura do meu décimo sétimo Blog: O CASAMENTO GAY, A ADOÇÃO E O ESTUDO HOMOSSEXUAL NAS ESCOLAS, endereço ─ www.paradocola.blogspot.com .
Atenciosamente JORGE VIDAL