sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Eutanásia em crianças: uma barbárie

 
 
O paraíso pós-moderno, a Bélgica, legalizou a eutanásia para crianças, ou seja, uma criança belga com uma doença debilitante pode pedir a morte medicamente assistida. Vamos lá ver se nos entendemos. Nós achamos que uma criança não tem discernimento político, é por isso que a idade política começa aos 18 anos. Nós achamos que uma criança não tem discernimento moral, é por isso que a idade criminal começa aos 16 anos. Nós achamos que ter sexo com uma criança é crime, porque consideramos que esse acto é um abuso da sua falta de discernimento. Mas, na Bélgica, esta criança já pode pedir a sua própria morte através da decisão mais absoluta e irrevogável. O absurdo lógico e moral salta à vista. 
Como é óbvio, os pediatras belgas estão contra a nova lei, porque consideram que uma criança não tem o discernimento moral para compreender os conceitos de eutanásia, morte, para sempre. O óbvio ululante. Além disso, os médicos dizem que o pedido de eutanásia pode surgir num momento particularmente difícil, num momento de dor excruciante que pode obstruir de forma momentânea o juízo da criança e dos pais. E depois? Depois não há volta a dar, depois já não há arrependimento porque tudo acabou. 
Vamos lá ver se nos entendemos. A conversa dos direitos humanos é para levar a sério, não é só para criticar os americanos quando eles não têm um Presidente negro. Se acreditamos mesmo nos tais direitos humanos, devemos defender sempre a inviolabilidade da vida humana, seja qual for a sua geografia, cultura ou condição genética. Um pessoa doente ou mais fraca não perde o direito à inviolabilidade da sua vida. Ora, a lei belga pressupõe o inverso e traça tagentes a uma ideia perigosa, a saber: há vidas que não devem ser vividas porque não dão prazer, porque só dão sofrimento. É a glória final e fétida do utilitarismo. A jusante, esta ideia utilitarista legitima aqueles que acham que têm o direito ou o dever de acabar com vidas imperfeitas e doentes. É o argumento que legitima a morte medicamente assistida e precoce de qualquer criança com trisomia 21, porque, ora essa, essas crianças são fracas, imperfeitas, dão muito trabalho e sofrimento à família, não são seres plenamente sencientes como nós. E o pior é que este raciocínio já não quer exterminar apenas as deficiências genéticas, também quer acabar com as indisposições psicológicas temporárias. Parece que a proposta inicial da lei belga determinava a legalização da eutanásia para crianças que estivessem fartas de viver por causa da anorexia, por exemplo.   
Henrique Raposo
Expresso

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/eutanasia-para-criancas-e-uma-barbarie=f856684#ixzz2udrHb8XJ

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Philomena


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Cordas ou o sentido da solidariedade e da ternura


Anti-Smartphones



Marcas de todo mundo vêm criticando o vício na mídia social nos últimos anos, pedindo para que as pessoas larguem o telefone e prestem atenção às pessoas ao redor.
O novo filme da Coca-Cola mostrou em tom de brincadeira, um produto que promete solucionar esse problema. O Guarda da Mídia Social, que é basicamente um cone vermelho (cor da marca) semelhante aos usados em cachorros, só que em tamanhos adaptados para os humanos.
As cenas explicam que o uso do apetrecho irá impedir os viciados de verificar seu telefone a cada oito segundos. Sem impedi-los, claro, de beber uma Coca-Cola.
"Você sabia que o mundo gasta 4000 mil anos on-line todos os meses?", aponta a marca. “Se você está vendo este vídeo em seu telefone móvel, é hora de colocá-lo para baixo. Olhe ao seu redor, provavelmente há alguém especial que você pode compartilhar um momento real. Aproveite-o com uma Coca-Cola gelada


Leia Mais: http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/noticias/2014/02/20/Cocacola-mostra-como-acabar-com-vicio-digital.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_content=&utm_campaign=links#ixzz2tuC3smIX
Follow us: @meioemensagem on Twitter | Meioemensagem on Facebook

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Como educar os nossos filhos para a maturidade psicológica ?



Salud, dinero y amor.
Tres constantes que históricamente han moldeado y condicionado la felicidad.
Sin embargo, hay estudios psicológicos que desmontan las virtudes de este presunto trinomio de plenitud frente a un parámetro que se sucede en todas las culturas, sociedades y épocas: la actitud positiva ante las circunstancias, ya sean de dolor o de dicha. El doctor Fernando Sarráis (Mérida, 1958), licenciado en Psicología y especialista en Psiquiatría de la Clínica Universidad de Navarra y profesor de Psicopatología de la Educación y Psicología Social en la Universidad de Navarra, disecciona en su nuevo libro ese parámetro de felicidad, cuyo secreto, tan sencillo como complejo, reside en el interior de las personas, en la madurez psicológica. "Se puede ser físicamente muy adulto pero ser como niños por dentro, muy inmaduros", asegura. Madurez psicológica y felicidad (EUNSA) nos recuerda que el camino hacia la plenitud también está en saber sufrir.
¿Madurez psicológica y felicidad son sinónimos?
El libro da pistas sobre qué es la madurez y cuál es la razón de la inmadurez, sabiendo que las personas maduras tienen muchas más posibilidades de ser felices. Los inmaduros, que es una palabra del lenguaje vulgar, se han llamado de manera técnica, neuróticos. En los investigadores de la personalidad existe una dimensión de la personalidad casi universal que todas las personas tienen, una dimensión bipolar: tiene una parte positiva, que es el autocontrol, y una parte negativa que es el neuroticismo. El neuroticismo se caracteriza por tener emociones negativas, muy constantes y muy intensas. Y las emociones negativas son las que dominan en personas neuróticas, es decir, inmaduras.
¿Cómo son esas emociones negativas?
Son aquellas que dificultan el funcionamiento psicológico adecuado, es decir, la razón con la voluntad libre. Una persona con miedo al avión, no es libre para montar en un avión. En cambio las emociones positivas como la alegría, la tranquilidad, la seguridad favorecen el pensamiento racional y libre. Por algo tan sencillo como que cuando hay emociones positivas no hay negativas que lo dificulten. Con las emociones negativas el sujeto es pasivo. En las positivas, el sujeto tiene que ser activo, pelear para expulsar las emociones negativas. Y una persona que tiene habitualmente emociones positivas puede funcionar con la razón y con la voluntad libre.

Educación hipertrofiada

¿Y el problema de fondo es que vivimos en una sociedad esencialmente inmadura y por tanto, neurótica?
Sí. Es una sociedad que prima el placer. Y el placer es sentirse bien para no sentirse mal, de manera que lo importante es el sentimiento, la afectividad, no la razón y la voluntad. Cuando hipertrofiamos a nuestros niños para que no sufran, para que no se sientan mal, lo más probable es que les generemos el miedo a sufrir. Y la única manera de quitar el miedo a las cosas que hacen sufrir es sufrirlas. El miedo a hablar en público se quita hablando en público. Si una persona se acostumbra desde pequeña a evitar las emociones negativas que le produce el mundo, de adulto le cuesta mucho más aprenderlo. Ahora mismo hay en psicología un término importado del inglés y que está muy de moda: la "resilience" o "resiliencia", es decir, ser resistente y fuerte, aguantar el impacto de lo negativo. En la búsqueda de la felicidad, en el autocontrol, hay una psicología positiva que se fundó en 1999 por un americano de Pensilvania, Martin Seligman.
¿Y cuáles son las claves de esa psicología positiva?
Seligman trata de enseñar a la gente a pensar, imaginar, sentir, percibir, recordar y comportarse en positivo. Si alguien se pone violento, podrá desahogar su ira, pero en el fondo se va a sentir mal. Porque nadie se siente bien cuando se ha portado mal. De manera que se trata de hacer cosas positivas que nos hagan sentir bien a corto y largo plazo. Pensar en positivo siempre me va a hacer sentir bien. Y sabiendo que el mundo, cuando es negativo, me va a suscitar pensamientos negativos, hay que hacer el esfuerzo de pensar en positivo. Es en realidad lo que dice el refrán: poner buena cara al mal tiempo.

Saber sufrir

Así que hay que aprender a sufrir
Sí. Hay que aprender a sufrir con buen humor, con paz y alegría. Los bebés, cuando tienen hambre o están sucios, lloran. A lo que hay que aprender, cuando se es adulto, esa estar contento cuando se tiene hambre y se está sucio. Las personas admirables sufren y nunca te dirán que han llevado bien ese sufrimiento. Sería vanidoso y orgulloso. Te dirán, "he hecho lo que he podido". Un ejemplo fácil de entender es el de los montañeros. Saben sufrir sin perder la paz y la alegría, que es la belleza interior, la belleza psicológica, la que tiene que ver con la afectividad.
Así que la madurez se muestra especialmente en las situaciones adversas. Porque usted dice en el libro que gente aparentemente madura, se rompe cuando algo va mal.
La madurez y la inmadurez tienen grados. Una persona que es tremendamente inmadura, lo es siempre y en todo lugar. Una persona con cierto grado de madurez, la tiene en las situaciones positivas. ¿Cuándo se nota si la madurez es sólo superficial o profunda? Cuando el mundo es duro y difícil, cuando hace sufrir y más puede hacer descompensar a una persona. Una persona muy inmadura se descompensa incluso sin razones. La madurez verdadera aflora en las dificultades. Y en el fondo, la madurez tiene que ver con la libertad. El ser maduro es más libre internamente. El inmaduro lo es sólo de forma externa, superficial, epidérmica. La libertad interior consiste en dominar desde la voluntad las funciones psíquicas: imaginación, memoria, percepción, pensamiento y afectividad. La verdadera libertad es la interior.
¿Pero no cree que muchas veces no nos han enseñado a vivir? Aquello que decía Kundera de que deberíamos vivir dos vidas: la primera como un ensayo de la segunda.
Uno aprende con la práctica. Para aprender a conducir, uno va a clases, tiene profesores, hace prácticas. En cambio, para ser feliz y vivir la vida, uno improvisa. Por eso es fundamental tener una formación teórica para trasladarla a la práctica. Con el ensayo-error se pierde mucho tiempo.
¿Y dónde está ese manual para saber vivir?
Hay mucha gente que son manuales vivos, personas que son muy maduras. La gente aprende por imitación. Se ponen tatuajes o piercings porque lo ven en los demás. De la misma manera, hay personas que te enseñan por su manera de vivir. En Internet encontramos 1.390.000 resultados para la búsqueda "madurez psicológica" y 7.030.000, en inglés. Hay mucha información, pero no hay interés.

No qué quiero ser, sino cómo quiero ser

¿Qué lugar ocupa la educación en la formación de una personalidad madura? Usted dice en el libro que se pregunta a los niños qué quieren ser, pero no cómo quieren ser.
Claro. En el colegio y en la universidad hay muchas horas dedicadas a aprender las distintas materias de conocimiento, pero no se enseña desde pequeño a quitar los miedos, las vergüenzas, a tener seguridad, confianza, autoestima... No se enseña a controlar las emociones. Hay jóvenes que fuman su primer porro por no ser tachado de cobardes por el resto de sus amigos. Actúan por miedo. Y no se puede esperar a que algo ocurra y que pase el miedo. Hay que trabajarlo día a día porque si esperas 10 años, ese miedo estará mucho más arraigado y será más difícil de eliminar.
¿Así que, como dice, la felicidad está en el autocontrol?
En el siglo XX ha habido muchos avances en el tratamiento de las enfermedades mentales. Nos hemos preocupado mucho de los enfermos mentales, los neuróticos... Y ahora, en el siglo XXI, ¿por qué no nos preocupamos de la excelencia, de lo ideal, de la felicidad, de la creatividad, del autocontrol, de los aspectos positivos, en definitiva? Todos coinciden: el factor más importante de la felicidad es la manera de ser. Y eso no se enseña en las aulas.
¿Y cuál sería la receta para tomar ese camino hacia la madurez, y por tanto, a la felicidad?
Lo primero de todo es ser consciente de que hay un problema o, mejor dicho, una tarea. Hay gente que no quiere saber asumir esa tarea, ya que supone sentirse mal. Segundo, querer ser maduro. Y para eso hace falta tener un motivo: ser feliz y ayudar a los demás a ser feliz. Hay que convencer a la gente de que la felicidad es algo muy valioso y que, como todo lo que vale, cuesta mucho. Tercero, tomar el camino del esfuerzo, porque haciendo lo que uno debe para ser feliz, también se va a encontrar bien. Y esto es como el Camino de Santiago: hay que andar todos los días, con frío, lluvia o cansancio. Porque quiero llegar a Santiago, a la felicidad.

Aberrações causadas pela co-adoção



1 – A Teresinha tinha 6 anos quando a mãe, vítima de cancro da mama, faleceu. Desde o ano de idade que vivia com a mãe, perto dos avós e dos tios maternos. Foram estes a passar mais tempo com ela, durante a doença da mãe. Acima de tudo os primos... de quem tanto gostava, e com quem brincava longas horas…
2 – Durante estes 5 anos teve sempre um relacionamento saudável com o pai. O facto de o pai viver com um companheiro, o Jorge, nunca foi motivo de comentário. Contudo, desde os tempos do divórcio, o pai e os avós maternos ficaram de relações cortadas.
Após o óbito da mãe, a Teresinha foi viver com o pai, e com o Jorge.
3 – Os avós maternos receberam então uma notificação para comparecer em Tribunal onde lhes foi comunicado que a sua "neta" tinha sido coadoptada pelo companheiro do pai, pelo que deixava de ser sua neta.
Foi-lhes explicado que por efeito da coadopção os vínculos de filiação biológica cessam. É o regime legal aplicável (art. 1.986.º do C.C. – “Pela adopção plena, extinguem-se as relações familiares entre o adoptado e os seus ascendentes e colaterais naturais”).
Nada podiam fazer. Choraram amargamente a perca desta neta (depois da filha) que definitivamente deixariam de ver e acompanhar.
A Teresinha que tinha perdido a mãe, perdia também os avós, os tios e os primos de quem tanto gostava. Nunca mais pôde brincar com aqueles primos ou fazer viagens com o tio Zé e a tia Sandra que eram tão divertidos. A Teresinha tinha muitas saudades daquelas pessoas que nunca mais vira.
Não percebia porque desapareceu do seu nome o apelido "Passos" (art. 1.988.º n.º1 – “O adoptado perde os seus apelidos de origem”).
4 – Um dia perguntou ao pai porque mudara de nome. Foi-lhe dito que agora tinha outra família. Não percebeu e, calou… Na escola, via que os outros meninos tinham uma mãe e um pai, mas ela não.
5 – Quando chegou aos 16 anos de idade foi ao ginecologista, sozinha. Ficou muito embaraçada com as perguntas que lhe foram feitas sobre os seus antecedentes hereditários maternos. Nada sabia. Percebeu que o médico não a podia ajudar na prevenção de várias doenças... Estava confusa. Nada sabia da mãe. Teria morrido? Teria abandonado a filha?
6 – Até que um dia descobriu em casa, na gaveta de uma cómoda, um conjunto de papéis em cuja primeira pagina tinha escrito SENTENÇA. E leu... que “o superior interesse da criança impunha a adopção da menor pelo companheiro do pai, cessando de imediato os vínculos familiares biológicos maternos, nos termos do disposto no art. 1.986.º do C.C., tal como o apelido materno (Passos) (art. 1.988.º n.º1 do C.C.) que era agora substituído por... Tudo por remissão dos arts. X.º a Y.º da Lei Z/2013.
7 – O que mais a impressionara naquele escrito foi o facto de que quem a escrevia parecia estar contrariado com a decisão que estava a tomar. E, a dado passo escrevia: "Na verdade, quando da discussão da lei Z/2013 na Assembleia da República o Conselho Superior da Magistratura e a Ordem dos Advogados emitiram parecer desfavorável à solução legislativa que agora se aplica. Porém, “Dura lex sede lex”. A Teresinha não percebeu...
8 – Durante anos procurou a Família materna, em vão... Mas rapidamente consultou os Diários da Assembleia da República onde constavam os nomes dos deputados que tinham aprovado aquela lei que lhe tinha roubado os mimos da avó Rosa, as brincadeiras do avô Joaquim... e os primos.
A Teresinha queria voltar ao tempo destes, que são sangue do seu sangue, mas não pode porque esses anos foram-lhe usurpados. Vive numa busca incessante pela sua identidade. Se as outras raparigas da sua idade sabem das doenças que a mãe e o pai tiveram, porque é que ela não pode saber? Porque lhe negam esse direito?
9 – Leu então num livro que “a adopção é uma generosa forma de ajudar crianças a quem faltam os pais e a família natural para lhes dar um projecto de vida. A adopção é sempre subsidiária”.
E perguntou – Onde está a minha família que nunca me faltou mas, de mim foi afastada por estatuição legal e decisão judicial? A Teresa está muito triste.
10 – O pai e o Jorge entretanto divorciaram-se… e a Teresa é obrigada a ir passar os fins-de-semana a casa do Jorge… porque a Regulação das Responsabilidades Parentais assim o ditou.
11 – Teresinha, nós estamos aqui!

Isilda Pegado, Advogada e presidente da Federação Portuguesa pela Vida
Fonte: Voz da Verdadehttp://www.vozdaverdade.org/site/index.php?id=3363&cont_=ver3

Co-adopção e filhos de pai incógnito



1 – Recordo bem a chaga social e o sofrimento que foi para tantos cidadãos, em geral de meios mais desfavorecidos, o estigma do “filho de pai incógnito”. O “Antigo Regime” protegia esta figura jurídica para evitar que os “senhores” manchassem a sua reputação ao “dar o nome” à criança nascida da empregada, de quem tinham “abusado”.
2 – Logo na Constituição da República Portuguesa aprovada em 1976 os deputados constituintes tiveram a preocupação de acabar com tal forma de discriminação social (art. 36.º, n.º4). E na sequente reforma do Código Civil de 1977 foi alterado o art. 1860.º, que restringia, e agora passou a impor, a “averiguação oficiosa da paternidade”. A Revolução de 1974 e consequente alteração de paradigma social teve também como mérito que o Estado se empenha directamente no direito à identificação dos progenitores de cada indivíduo. Tal direito deixou de ser apenas para alguns, e passou a ser também para os menos afortunados. Acabaram (quase) os filhos de pai incógnito. Os testes de DNA também vieram dar uma grande ajuda.
3 – Quando após a Revolução dos Cravos se pôs fim aos filhos de pai incógnito, a grande preocupação era com o filho, ou seja, a criança que tem direito à sua identidade genética e biológica. E na satisfação desse direito deve empenhar-se o Estado, a sociedade e os tribunais. É de tal forma importante este direito que o Tribunal Constitucional (Acórdão n.º 23/2006) declarou a inconstitucionalidade do art. 1817.º n.º 1 do Código Civil que estabelecia o prazo de dois anos após a maioridade, para intentar a acção para investigação da paternidade. Porque o direito a conhecer a sua identidade genética hereditária é um direito fundamental.
Por exemplo, o Código Civil Italiano diz que a todo o tempo pode ser intentada tal acção (art. 270.º). No Código Civil Brasileiro (art. 1606.º), a acção pode ser intentada durante toda a vida do filho. Também o Código Civil Espanhol (art. 133.º) e o Alemão reconhecem que durante toda a vida do filho pode ser averiguada a filiação.
O direito à integridade pessoal, o direito à identidade pessoal (art. 25.º e 26.º do CRP) são direitos fundamentais que implicam também o Direito Fundamental ao conhecimento e ao reconhecimento da paternidade, pois este representa uma referência essencial da pessoa, quer a nível biológico, quer a nível social.
Esta tem sido a posição defendida quer pelo nosso Supremo Tribunal de Justiça, quer pelo Tribunal Constitucional.
4 – Porém, nos últimos anos (poucos) voltámos a ter “filhos de pai incógnito”. Agora não pelo medo e imposição do pai, mas pelo “querer da mãe”. A mãe decide que quer ter um filho, só seu, cujo pai fique incógnito (dador anónimo) e faz inseminação artificial a partir do banco de esperma para poder gerar a criança que é “só sua”.
5 – Tal prática é proibida (art. 6.º, 19.º, 20.º) e até punida (art. 35.º) em Portugal (Lei da Procriação Medicamente Assistida) (Lei n.º 32/2006) aprovada no primeiro Governo Sócrates. Porém, apesar de tal proibição, vemos agora argumentar que a co-adopção por pares homossexuais é uma necessidade porque aquelas “crianças que só têm mãe” precisam de outra mãe. Ou as crianças que, entregues a um homem no âmbito de adopção singular, precisam agora de um outro pai (burla à lei – que proíbe a adopção por pares homossexuais – aprovada em 2010 por uma maioria de esquerda).
Assim sendo, a co-adopção vem reconhecer e legalizar práticas que estão proibidas por lei…
6 – Nenhum ser humano nasce só de um pai ou só de uma mãe. O ser humano nasce numa família, avós, tios, primos.
Quando se opina no sentido de que, caso falte a mãe à criança esta fica sem amparo, o que se está a dizer é que aquela criança não tem família biológica do lado do pai nem do lado da mãe. Apaga-se a história familiar da criança.
7 Contudo, com a co-adopção iria “legalizar-se” os filhos deliberadamente “criados” sem pai, ou sem mãe.
No Estado Novo apagava-se o pai por uma falsa “moral”. E agora por que se apaga o pai? Há alguma moral que o justifique?
Querem fazer o favor de nos dizer a quem se destina esta lei da co-adopção?
Advogada


Isilda Pegado, Advogada
Público de 29/01/2014

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A situação da família no Japão



A resposta da Conferência Episcopal Japonesa ao questionário sobre a família, partindo da realidade japonesa, é um pouco assustadora:

"In situations where both parents work, many children return to an empty house."

"Shared meals are rare," they continue. "Consequently, there are no opportunities to share conversation. Each member of the family faces difficulties, but since there is no fellowship each is lonely and has little experience of loving or being loved."

Husbands’ time and energy were consumed by their work, and wives who were previously full-time homemakers began to work part-time outside the home. Children, when their school day ended, were absorbed in extra-curricular activities or "cram schools" until late at night. As a result, shared meals or other opportunities to be together as a family decreased significantly. It has become difficult for families to come together to talk with one another or share companionship.

In both urban and rural areas, living alone has become more common, resulting in increased loneliness and anxiety. The number of people who die alone or without any connections to others is increasing. Japanese society can be characterized as "unrelated."

Ver mais aqui

Parecer da Ordem dos Advogados portuguesa sobre co-adoção

Parecer da Ordem dos Advogados sobre a possibilidade da co-adopção

Parecer da Ordem dos Advogados
(Sobre o Projecto de lei nº 278/XII/1ª (PS), consagrando a possibilidade
de co-adopção pelo cônjuge ou unido de facto do mesmo sexo).


O projecto de lei em apreço constitui para a Ordem dos Advogados uma via algo sinuosa de ultrapassar parcialmente a rejeição de um projecto de lei do Bloco de Esquerda (o n.º 126/XII) que visava a eliminação total da impossibilidade legal de adopção por casais do mesmo sexo.

Tal como o projecto rejeitado, o ora apresentado procede à mesma subversão da hierarquia de direitos, partindo da constituição de um direito a adoptar quando, em bom rigor, esse direito não pode (co)existir com o direito a ser adoptado.

É o direito da criança a ser adoptada e não um pretenso direito de adultos (do mesmo sexo ou não) a adoptar que deve sempre prevalecer para o legislador.

O direito da criança a ser adoptada implica que essa adopção se faça em respeito pelo princípio da família natural, ou seja, por uma família constituída por um pai (homem) e uma mãe (mulher) e não com um homem a fazer de mãe ou com uma mulher a fazer de pai.

O desenvolvimento harmonioso da personalidade de uma criança (um dos seus direitos fundamentais) implica a existência de referências masculinas e femininas no processo de crescimento.

(...)

Por isso e também pelas considerações expendidas no parecer emitido a propósito do Projecto de Lei nº 126/XII (BE), cuja cópia se anexa, a Ordem dos Advogados Portugueses considera que o Projecto de Lei nº 278/XII/1ª (PS) não deve ser aprovado pela Assembleia da República.

Lisboa, 09 Outubro 2012


A Ordem dos Advogados

Abortos aumentam nos Açores

Segundo dados do serviço regional de saúde dos Açores, houve 177 casos de IVG em 2008, 164 em 2009, 178 em 2010, 204 em 2011 e 223 em 2012. Em 2013, os valores disponíveis são apenas até junho e apontam para 106 IVG na região em seis meses.
A nível nacional, de acordo com o mais recente relatório, referente a 2012, da Divisão de Saúde Sexual, Reprodutiva, Infantil e Juvenil da Direção-Geral da Saúde, "em 2010 e 2011 assistiu-se a uma estabilização do número de IG [interrupções voluntárias] realizadas e em 2012 a uma redução de 7,6% relativamente ao ano de 2011".
Em termos de valores totais, foram realizadas 18.924 interrupções de gravidez no país em 2012, 97,3% das quais IVG.
Dos 223 abortos voluntários feitos por mulheres residentes nos Açores em 2012, apenas 142 foram realizados na região, no hospital de Ponta Delgada, em São Miguel, o único que presta atualmente esta resposta no arquipélago e onde existem dois especialistas e dois internos que não praticam objeção de consciência.
Entre 2007 e 2010, as IVG foram realizadas somente no Hospital da Horta, no Faial, tendo sido repartidas, em 2011, com a unidade hospitalar de São Miguel que, desde 2012, assume sozinho este serviço, sendo as utentes das restantes duas unidades (54 da ilha Terceira e 25 da Horta) encaminhadas para o serviço público e privado no continente.
O obstetra do hospital de Ponta Delgada e membro da direção nacional da Associação para o Planeamento da Família (APF), Pedro Cosme, disse à Lusa que o desemprego e a maior acessibilidade à IVG estão a associados aos números registados nos Açores nos últimos anos.
O médico explicou serem “frequentes” casos de “mulheres desempregas cujos parceiros também estão no desemprego”.
"É preciso não esquecer que, dentro da conjuntura nacional, os Açores têm as mais altas taxas de desemprego e de famílias com recurso ao rendimento social de inserção", destacou.
(...)
O especialista apontou ainda a “relação pouco estável com parceiro” como outro dos factores que levam ao aborto voluntário nas ilhas.
A maioria das mulheres que recorre à IVG nos Açores tem entre 25 e 35 anos, contudo, em 2012 aumentou ligeiramente o número de casos na faixa etária dos 20 a 25 anos.
Pedro Cosme refere tratarem-se de "mulheres esclarecidas", não só sobre o procedimento, como em relação à "diminuição dos apoios sociais" referentes ao abono de família para crianças e jovens.
"Nas consultas prévias, mais de 90 por cento das mulheres não pede nem consulta de apoio psicológico, nem de serviço social", detalhou.
Fonte: Diário Digital com Lusa

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Postos de acolhimento de bébés indesejados

 
 
Eu sei que esta opção pode ser, à primeira vista chocante. Mas entre eliminar um ser humano, só porque foi concebido fora do contexto familiar, económico ou temporal mais adequado, e dá-lo para a adoção, ainda que por esta via, não há dúvidas que esta 2ª opção é bem melhor.
São inúmeros os casais que estão em lista de espera a aguardar um recém-nascido para poderem adotar.
Porquê eliminar recursos humanos quando podem haver alternativas ?


O governo chinês anunciou a abertura de 25 novos postos que permitem aos pais abandonarem com segurança os filhos indesejados.
Segundo a BBC, que cita a agência de notícias estatal Xinhua, as críticas a esta medida são inúmeras, uma vez que estes postos são vistos como uma forma de encorajar o abandono de recém-nascidos, uma vez que garante o anonimato.
No passado, a política de filho único foi considerada culpada pelo alto número de meninas abandonadas pelos pais, pois dava-se preferência aos filhos do sexo masculino. No entanto, segundo as autoridades, os bebés que são abandonados são tanto do sexo masculino quanto feminino.
Estes novos locais incluem uma incubadora e um sistema de alarme criados para aumentar as hipóteses de sobrevivência dos bebés. Os pais devem então colocar o bebé na incubadora e pressionar o botão de alarme. Dez minutos depois, chega um funcionário para recolher o bebé.
Um dos postos criado em Guangzhou recebeu, só nas primeiras duas semanas de funcionamento, 79 bebés.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Os media que nos aspiram para a morte

 
A dita “sociedade da informação” é também a sociedade do encobrimento, do enviesamento e da des-informação e corresponde a uma poderosa máquina, mais ou menos lucrativa, que coloca os cidadãos diante de um filme que pouquíssimo lhes diz acerca do que se passa e que (mais do que tudo) cria acriticidade e hábitos perversos no modo de pensarmos o que realmente se passa à nossa volta. E de tal modo essa máquina é poderosa que nos desenvolve uma faculdade fundamental para quem não se deve pensar a si e aos outros, nem pensar o mundo em que está inserido: é uma gigantesca máquina de divertimento e de propagação do medo, travestida de “comunicação”; aspira-nos para fora da nossa realidade e fomenta a nossa capacidade de esquecer o (pouco que sabemos acerca do) que se passa e de fugir da nossa própria realidade, por vezes demasiado imprópria.
A imediatez substitui qualquer mediação, diz M. Augé. Comunica-se tudo e a todo o tempo; a comunicação constante e imediata torna o ambiente opressivo, irrespirável; mas o que se comunica na comunicação? O desastroso, o sangrento, a morte, os milhares de pontos de vista desconexos, a incapacidade de nos entendermos, o imediato, o live depressivo.
O modo de olhar o mundo quase só pela negativa (pela desgraça que acontece, pela facada e pelo sangue, pelo roubo espetacular e pelo assalto violento, pela bomba que explodiu), que todos os dias preenche os telejornais e alguns jornais, corrompe a visão do mundo e marca violentamente um modo sombrio de estar no mundo, descrente da vida e das pessoas (o síndrome do “mal do mundo” de que hoje se fala ou a “psicologia do túmulo” (A alegria do Evangelho, nº 83) que nos faz uns “desencantados com cara de vinagre” (nº 84)), como diz tão assertivamente o Papa Francisco.
E isso inscreve realmente no nosso exíguo espaço público um olhar negativo profundamente criador de significados e sentidos que nada interessam à vida, à solidariedade e ao bem comum.
O tempo real substitui o espaço real, diz P. Virilio, e o simbólico, tão decisivo na relação humana, foge do espaço social, que se estiola num espaço de fragilidade, de inquietação, sem laços. A realidade é expulsa da comunicação quotidiana (ainda que seja por excesso de realismo!) e com ela somos expulsos nós mesmos: há cada vez menos lugar para nós neste mundo. Somos uma gente demasiado humana, somos escandalosamente humanos, somos demasiado presente e sonho, incerteza e mistério. E será mesmo possível e “politicamente correto” continuarmos a desejar um mundo para nós humanos, na nossa incomensurável diversidade?
Os medos são agora explorados à exaustão pelos media e isso faz com que o real, os casos concretos e as pessoas concretas quase não existam, são irreais, uma ficção, fazem parte do “empilhamento arbitrário de casos concretos”, que impregna a realidade de “uma atmosfera realmente opressora” M. Augé). O real só regressa quando regressar a relação e o mistério. Aqui e agora.
Mais, a nossa mente desenvolve um modo de pensar o mundo e a vida focado sobre o que de pior nele ocorre (bad news, good news; good news, no news). E este convívio e até comprazimento com o ódio, o sofrimento, a violência e a morte dos outros, feitos espetáculo arbitrário quotidiano, não nos estarão a tornar cada vez mais insensíveis ao que de melhor tem este mundo e à própria vida humana? Que é que valem as coisas maravilhosas que todos os dias acontecem no mundo e em Portugal? E em nós mesmos?
 
Joaquim Azevedo
Professor da Universidade Católica Portuguesa (Porto)

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Uma conceção material e mecanicista da vida

 
 
"(...) hoje a questão social se tornou radicalmente antropológica, enquanto toca o próprio modo não só de conceber mas também de manipular a vida, colocada cada vez mais nas mãos do homem pelas biotecnologias.
A fecundação in vitro, a pesquisa sobre os embriões, a possibilidade da clonagem e hibridação humana nascem e promovem-se na actual cultura do desencanto total, que pensa ter desvendado todos os mistérios porque já se chegou à raiz da vida. Aqui o absolutismo da técnica encontra a sua máxima expressão.
Em tal cultura, a consciência é chamada apenas a registar uma mera possibilidade técnica. Contudo não se podem minimizar os cenários inquietantes para o futuro do homem e os novos e poderosos instrumentos que a « cultura da morte » tem à sua disposição.
À difusa e trágica chaga do aborto poder-se-ia juntar no futuro — embora sub-repticiamente já esteja presente in nuce — uma sistemática planificação eugenética dos nascimentos.
No extremo oposto, vai abrindo caminho uma mens eutanasica, manifestação não menos abusiva de domínio sobre a vida, que é considerada, em certas condições, como não digna de ser vivida.
Por detrás destes cenários encontram-se posições culturais negacionistas da dignidade humana. Por sua vez, estas práticas estão destinadas a alimentar

Contra a manipulação dos media pró-gay

 
 
Não basta o "voto universal" para garantir a natureza democrática de um regime. É igualmente necessário que todas as opiniões em confronto se possam exprimir e apresentar os seus argumentos aos cidadãos num ambiente de verdadeiro pluralismo. Para isto, é grande a responsabilidade da comunicação social em garantir, na prática, o pluralismo dialético e democrático.
No programa "a tarde é sua" da responsabilidade de Fátima Lopes, emitido no canal generalista da estação de televisão TVI, na tarde de 6 de fevereiro, Fátima Lopes convidou 3 pessoas para "debater" a co-adopção. Estranhamente todas elas representavam a posição favorável à proposta de lei da co-adopção gay: i) Isabel Moreira, deputada socialista subscritora da proposta; ii) Paulo Corte-Real, líder da ILGA; iii) Dulce Rocha, vice-presidente do IAC-Instituto de Apoio à Criança.
Nós, os cidadãos e famílias que nos opomos a esta proposta e à visão da família que lhe subjaz, reconhecendo o direito de expressão de todas as opiniões contrárias, não podemos deixar de exigir o mesmo direito a exprimir tambem a nossa posição, sempre e onde quer que se pretenda lançar este debate - especialmente num meio de grande alcance social como é a televisão. Esta exigência de igualdade de tratamento é particularmente premente, tratando-se de defender o Direito das Crianças a uma mãe e um pai; tratando-se de representar as principais interessadas - as próprias crianças, o futuro e "bem comum" da nossa comunidade.
As duas posições deverão confrontar-se em breve num referendo nacional, recentemente aprovado na Assembleia da República. Se só então nos for reconhecido o direito de defesa das nossas ideias, será tarde. Esta exigência assenta no princípio do pluralismo democrático que vincula todos as entidades "públicas ou privadas" que promovam momentos de esclarecimento ou discussão pública - não apenas as entidades e programas com um carácter estritamente informativo. Assim se assegura o direito dos cidadãos portugueses a ser informados com isenção pelos diferentes órgãos de comunicação social, com especial ênfase para as televisões generalistas como é o caso da TVI e do programa «a tarde é sua», da responsabilidade de Fátima Lopes.
A democracia portuguesa tem reiteradamente definido nos seguintes termos o princípio da "igualdade de tratamento" a observar por entidades públicas e privadas (como é o caso da TVI) nos diferentes tempos de debate nacional, eleitoral ou referendário:
«Os candidatos, os partidos políticos, coligações e grupos proponentes têm direito a efectuar livremente e nas melhores condições a sua propaganda, devendo as entidades públicas e privadas proporcionar-lhes igual tratamento.» (cf. http://www.cne.pt/sites/default/files/dl/al_2013_cal.pdf)
Estando em vias de ser convocado um referendo nacional sobre adopção e co-adopção gay - contexto em que o programa de Fátima Lopes necessariamente se enquadrava -  todas as posições em confronto devem poder exprimir-se para os portugueses formularem o seu juízo em plena consciência e liberdade. A sociedade portuguesa não abdica do seu direito a um debate são e pluralista, seja diante do chamado "quarto poder", do lobby gay ou de ambos em secreto conluio. Exigimos de Fátima Lopes e de todos os grandes meios de comunicação social - TVI, RTP, SIC, Renascença - o mesmo direito de participação que tem sido concedido aos nossos poderosos adversários.
 
Assine a petição aqui

Assine petição para que o Rei da Bélgica não promulgue eutanásia contra crianças




Na quinta-feira, 13 de Fevereiro de 2014, uma lei assustadora que estende a eutanásia para as crianças foi aprovada no Parlamento Belga: os médicos terão permissão para matar crianças que sofrem de alguma doença terminal e de dores severas. Com essa nova lei, a decisão de matar uma criança terá de ser aprovada pelos pais e médicos responsáveis pelo paciente. Também será necessário que o jovem paciente tenha consciência da situação e compreenda o que significa a eutanásia. Pode-se apenas imaginar o que isso significa para uma criança que vê seus pais em desespero por causa de seu sofrimento.
Essa é uma lei única e representa um sinal para a Europa. Há também relatos assustadores do uso negligente ou não regulado da eutanásia não apenas na Holanda, mas também na Bélgica. Pediatras belgas, numa carta ao Parlamento, afirmaram que a lei não era medicamente necessária já que "equipes de tratamento paliativo são perfeitamente capazes de alcançar o alívio da dor tanto hospital como em casa". Muitos membros da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa assinaram uma declaração afirmando que essa lei "trai algumas das crianças mais vulneráveis na Bélgica" e "promove a crença inaceitável de que uma vida pode ser indigna de ser vivida, algo que desafia o próprio fundamento de uma sociedade civilizada".
A lei agora será dirigida ao Rei dos belgas, Philippe, para que seja sancionada. Em tese, ele pode recusar-se a assinar a lei. Todavia, isso é muito incomum e poderia gerar debates intensos. Se não assinar a lei, o Rei Phillipe poderá dar o sinal mais forte possível em favor da dignidade de cada ser humano. Seu tio, Rei Baudouin, não consentiu heroicamente com a legalização do aborto em 1990.

Assine a petição aqui

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Clarificações sobre homossexualidade

 
 
The Archbishop of Dublin, Diarmuid Martin, says homophobia is “insulting to God,” because “God never created anybody that he doesn't love." According to the Independent Dr. Martin said:
"Anybody who doesn't show love towards gay and lesbian people is insulting God. They are not just homophobic if they do that – they are actually Godophobic because God loves every one of those people." 
Regarding the harassment of homosexuals, Dr. Martin said, "Certainly the sort of actions that we heard of this week of people being spat at because they were gay or ridiculed . . . that is not a Christian attitude. We have to have the courage to stand up and say that."  He added: "We all belong to one another and there is no way we can build up a society in which people are excluded or insulted.”
This is one problem with same sex marriage.  By definition, it excludes people by gender.  A male "marriage" rejects a wife and mother.  A female "marriage" excludes a husband and father. How can we “build up a society” with families that are based on sex discrimination?
From Buzzfeed:  
 “Just because a person isn’t in favor of gay marriage doesn’t mean that one is homophobic — let’s be very clear on that.”
Many people believe that loving gays means we must endorse separate marriages for them.  This is a fallacy.  Love does not require depriving children of a relationship with their mother simply because their dad is gay.  Love does not mean segregating people by gender and sexual orientation in marriage law. 
The Archbishop cautioned against labeling the Catholic Church anti-gay simply because it supports pro-gender marriage. In a radio interview, he advised, “Debates on issues like this have to be carried out in a mature way in which people can freely express their views, and at the same time in which you express those views in a way that won’t offend others.” 
He says the Church “can’t impose” its beliefs “on any individual and society, but it has a right to go out and say it.”
And what is that teaching?
“There is something special about the relationship between a man and a woman . . .the complementarity of the sexes which is God-given and that is what makes marriage different…there can be ways the gays can celebrate their togetherness, their love for one another…but it isn’t marriage.”
Marriage celebrates gender diversity and the complementarity of the sexes. 
Kelly Bartlett has been practicing life, love, and marriage for decades, hoping to improve her game. She writes from Vermont. She blogs at Home Griddle, where this was originally posted.
- See more at: http://www.mercatornet.com/conjugality/view/13565#sthash.xKF3jLeY.dpuf

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Do 8 ao 80

 
 
De todos os temas dito fracturantes, nenhum é tão complexo como o aborto. Ao mesmo tempo que não existe consenso possível sobre o significado de “vida” e de “pessoa”, é igualmente impossível defender que o feto é apenas uma agremiação de células indistintas, como quaisquer outras.
O que ali está pode não ser “vida”, mas “vida em potência” é certamente, e este simples facto, em conjunto com uma vontade genuína de compreender os argumentos de ambas as partes, poderia ter conduzido o governo que conseguiu a liberalização do aborto até às 10 semanas a um mínimo de equilíbrio e de prudência quando se tratou de propor a regulação da lei n.º 16/2007. Não foi o que aconteceu.
O aborto até às 10 semanas não só passou a ser permitido por opção da mulher, como lhe foi dado um estatuto equivalente ao da gravidez: isenção de taxas moderadoras e licenças até 30 dias pagas a 100%.
Por questões de honestidade argumentativa, deixem-me esclarecer a minha opinião em relação a esta matéria. Embora pessoalmente seja contra o aborto, entendo que a mulher tem direito a dispor do seu corpo (ou seja, o slogan “na minha barriga mando eu”, embora canhestro e caceteiro, está correcto), e não deve ser penalizada por decidir interromper uma gravidez. Contudo, o Estado, depois de despenalizar, deveria ter-se afastado desta matéria. Ou seja, liberalizava, mas não praticava: permitia o aborto até às 10 semanas, visto ser essa a vontade da maior parte da população, mas não permitia que, fora dos casos já previstos na lei anterior, ele fosse praticado em hospitais públicos, com o dinheiro de todos, incluindo daqueles que entendem que o aborto é a morte de um ser humano.
E isto porque o aborto é mesmo a morte de um ser humano? Não, simplesmente porque não há maneira de chegar a um acordo sobre aquilo que o aborto é, e a questão é de tal modo séria que o Estado deveria respeitar a sensibilidade de 1,5 milhões de pessoas (40% das que votaram em referendo), quando não existe uma forma de as convencer racionalmente de que aquilo que elas defendem está errado. Caberia então à sociedade civil e aos movimentos pró-escolha organizarem-se e autofinanciarem-se, para que as pessoas que não têm meios económicos para pagar um aborto o pudessem fazer gratuitamente em clínicas privadas.
Claro está que admitir em Portugal qualquer coisa que meta apoios sociais sem ter o Estado a amparar por trás é impensável, e por isso admito que a minha posição seja ultraminoritária. Mas duvido muito que seja ultraminoritária em relação ao que existe neste momento: nenhuma pessoa de bom senso pode admitir que a senhora Maria tenha de pagar taxas moderadores se for operada a uma hérnia mas a dona Francisca não tenha de pagar nada se for abortar – e ainda recebe o seu ordenado na totalidade (exactamente como se tivesse tido um filho) se ficar de baixa e abortar várias vezes ao ano (sim, acontece).
Portugal não é a Espanha, e não me parece que venha por aí um movimento de direita que tome conta do governo e queira novamente penalizar o aborto. Mas as injustiças da actual situação necessitam de ser corrigidas, porque manifestamente passámos do oito para o oitenta. Há oito anos, uma mulher que abortava podia ir parar à prisão. Hoje, ela tem os mesmos privilégios de quem deu à luz. Será assim tão difícil encontrarmos um meio termo?
 

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O papão do casal são as tarefas domésticas





Os casais são tão frágeis… até um simples bebé, inocente, coitadinho, consegue mandar abaixo essa instituição bipolar com dois berros e um cocó.
Há mesmo casais que finaram a sua relação no desenrolar de uma briga com uma fralda de cocó a voar na direção da cabeça do outro. (...)
É que quando um casal entra na categoria dos pais, tanto pode vir a comemorar bodas de ouro no baile do Mercado da Ribeira, como vir a enterrar a sua conjugalidade sem direito a coroa de flores. Crescer com os pais juntos já não é tradição e hoje depende, e muito, da saúde mental da relação à data do nascimento do bebé.
Porque viver sozinho já é difícil. Agora aturarmo-nos é um aborrecimento atroz, pelo que precisamos de partilhar esta tarefa. Quando encontramos um inocente disposto a ajudar, eis que viver a dois se torna um desafio ainda mais tramado. E viver a três é um feito que não é para todos. Portanto, quem vive a dois e passa a três ou mais, e consegue fazê-lo com felicidade, é uma família digna de um Nobel da Paz.
Ao casal que diz “Vamos ter um filho!”, apetece logo perguntar se já atingiu a maioridade mental. Para além da idade maioritária e da idade reprodutora, há ainda a idade mental que é muito relevante na decisão de cuidar, educar e aturar um ser humano que vai depender de nós por 30 anos.
Se a coisa correr bem. E que pode não ter a nossa cara. Ou até não ser muito esperto. Convém, por isso, haver muito amor. Não, não é amor ao sofá branquinho nem à camisa de cetim. É mesmo amor-próprio, amor ao inocente que baba a nossa almofada todos os dias do resto da vida, amor para dar como se não houvesse amanhã.
Coisa que, geralmente, só damos despojadamente após uns árduos anos de maturidade mental.
Acontece que quando a responsabilidade desce aos nossos ombros, os nervos galopam à cabeça. Nasce o bebé e começa a festa! “Embala tu que eu dou colinho. E faz a papa ou a sopa, agora com borrego, depois com peixe, mas não abuses da beterraba que faz cocó vermelho. Já trocaste a fralda? É que eu vou ali abaixo à farmácia. Mas onde é que está a chucha? Qual? Sei lá, qualquer uma das cinco que espalhei pelo berço… Vais lá tu ou vou lá eu? É a tua vez. Mas eu é que fiz a noite! E eu dei-lhe banho. Desconfio que lhe está a nascer um dente. Vou ao supermercado. Então, traz iogurtes e papaia para a menina. Sim, depois temos de arrumar os brinquedos. Hum, a ver se ainda ponho a roupa para lavar. Mudas para o canal dos bebés? O quê? Não te ouço! Disse para ires para o raistaparta, ouviste agora ou tens mais cera nos ouvidos que a miúda? Ah, é assim? Então o banho morninho é para o bebé, tu levas com um balde de água fria e enche-o tu!”
Isto é o quotidiano conjugal dos recém-papás. Que além deste diálogo profundo, trabalham muito e arfam que nem cães para chegar a horas a todo o lado. Mas, inexplicavelmente, quando têm uma folga desta rotina parental e olham babados o seu bebé: “É igualzinho a nós, que amor! Vamos fazer outro?”
Dizem que o índice de satisfação do casal cai no primeiro ano de vida do bebé. O resultado daquela grande paixão, o bebé, vem reivindicar espaço, atenção e amor, de forma tão absorvente que são raros os casais que não tremem os joelhos, que não fazem xixi pelas pernas baixo, que não acordam assustados com terrores nocturnos. Buu!
É que, agora, este bebé e casal são de carne e osso. Dá para beliscar que dói. E são ambos uma realidade ligeiramente diferente da imaginada. No sonho, idealizado nos nove meses de gestação, não havia som, a cozinha não estava permanentemente no cenário, a fralda trocada não tinha cheiro, o bebé não tinha a cabeça torta e a mãe e o pai estavam de banho tomado. Porque o nosso cérebro sonha limpinho e com recurso ao photoshop. Como?
Estava só a comentar o que toda a gente sabe: que a realidade é diferente dos sonhos. E então?
Então que me apercebi desta banalidade, que os filhos nascem e muitos dos pais entram em crise. Aliás, crise é recorrer a falinhas mansas, o lar vira mesmo é estado de sítio. Vejo à minha volta muitos casais com filhos pequenos que andam à luta com o novo quotidiano familiar. Bolsam impropérios para as paredes. Todos a estoirar, a postos para enfiar o raio do babete no pescoço do outro e apertar muito bem até esganarem e babarem as palavras que estavam atravessadas. As tréguas são os cinco minutos a sós na casa-de-banho e até mesmo ir ao supermercado é válido para desanuviar.
Podemos culpar as novas identidades, a adaptação, o sono e o cansaço que geram tolerância zero, é tudo verdade. Mas cá para mim, desconfio que a razão principal é bastante mais quotidiana e menos profunda: o bicho papão do casal são as tarefas domésticas. Porque a vida conjugal pós-bebé é tarefeira que se farta. E ser mãe e pai é bom, muito bom. Tarefas à parte. No final, é como diz a frase do poeta: a vida é tudo o que acontece fora do planeado.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

O valor da ágape

A reciprocidade é a lei de ouro da socialidade humana. Mais do que qualquer outra palavra – como sejam indignação, vingança ou intermináveis ações em tribunal – a reciprocidade traduz muito melhor a gramática fundamental da sociedade. O ADN do animal político é uma hélice que entrelaça dar e receber. Mesmo o amor humano é essencialmente uma questão de reciprocidade desde o primeiro instante ao último, em que, muitas vezes, se deixa esta terra apertando a mão de alguém que se ama; ou, se ausente, apertando-a dentro com as últimas energias da mente e do coração. Esta dimensão de reciprocidade do amor, com a qual se ama quem nos ama, foi expressa de vários modos e com muitas palavras pelas diferentes culturas.

Na Grécia as mais conhecidas eram eros e philia, duas formas de amor diversas, mas que têm em comum a reciprocidade, a necessidade fundamental da resposta do outro. O eros é uma reciprocidade direta, biunívoca, exclusiva, na qual o outro é amado porque nos preenche uma indigência, nos sacia, reacendendo um desejo vital. Na philia grega (que se assemelha ao que hoje chamamos amizade), a reciprocidade é mais elaborada: tolera-se a falta de resposta do outro, não se fazem sempre contas de dar e haver, e pode-se perdoar muitas vezes. É por isso que, enquanto o eros não é uma virtude, a philia pode sê-lo, porque requer fidelidade ao amigo que, de tempos a tempos, trai ou não responde ao amor. Mas o amor–philianão é um amor “incondicional”, já que termina quando o outro ou outra me faz entender com a sua não–reciprocidade que já não quer ser meu amigo.

O eros e a philia são essenciais e esplêndidos para toda a vida boa, mas não bastam. A pessoa é grande porque não lhe basta a já grande reciprocidade; quer o infinito. Assim, a um certo ponto da história, quando o tempo se tornou maduro, nasceu a necessidade de uma outra palavra para dizer uma dimensão do amor não limitada naquelas duas semânticas do amor, já ricas e elevadas. Esta nova palavra foi agape, não inteiramente inédita no vocabulário grego, mas novos foram o uso e o significado que lhe foi atribuído por "aqueles da via", o primeiro (belíssimo) nome dos cristãos. Mas o agape não foi uma invenção; foi a revelação de uma dimensão presente, em potência, no ser de toda a pessoa, mesmo quando sepultada e à espera de alguém que lhe diga “vem para fora”.
O agape não é uma forma de amor que começa quando terminam as outras, não é o não–eros ou a não–philia, porque é a sua presença que torna pleno e maduro todo o amor. Porque é o agape que doa ao amor humano aquela dimensão de gratuidade que não é garantida pela philia, e muito menos pelo eros; e que, abrindo-as, cumpre (assim) todas as virtudes, que na sua ausência não passam de subtil egoísmo. Também por esta razão quando os latinos traduziram o agape, escolheram charitas, que nos primeiros tempos se escrevia com h, uma letra que é tudo menos muda, porque dizia muitas coisas. Para começar, dizia que aquela charitas não era nem amor nem amicitia, era algo diverso. Depois, que aquela charitas já não era acaritas dos mercadores romanos, que a usavam para exprimir o valor dos bens (o que custa muito, que é “caro”). Mas aquele h queria também recordar que charitasreportava ainda a uma outra grande palavra grega: charis, graça, gratuidade (”Ave Maria, cheia de charis”). Não existeagape sem charis, nem charis sem agape. Então, a philiapode perdoar até sete vezes, o agape até setenta vezes sete; a philia doa a túnica, o agape doa também a capa; aphilia percorre uma milha com o amigo, o agape duas, e fá-lo também com o não–amigo. O eros suporta, espera, cobre pouco; a philia cobre, suporta, espera muito; o ágape espera, cobre e suporta tudo.

A forma de amor do ágape é também uma grande força de ação e de mudança económica e civil. Todas as vezes que uma pessoa age para o bem, e encontra na ação mesma e dentro de si recursos para andar para diante mesmo sem reciprocidade, entra em ação o ágape. O ágape é o amor típico dos fundadores, os iniciadores de um movimento, de uma cooperativa, que não podem contar com a reciprocidade dos outros, e cuja ação exige fortaleza e perseverança em longos períodos de solidão. O ágape não condiciona a escolha de amar à resposta do outro mas, quando tal resposta falta, sofre porque o ágape é pleno na reciprocidade («dou-vos um mandamento novo: amai-vos!»); mas não fica incomodado a ponto de interromper o seu amor não amado.
A plenitude da reciprocidade agápica exprime-se também numa relação ternária: A doa-se a B, e B doa-se a C; uma transitividade do ágape que não está presente nem naphilia, nem, ainda menos, no eros. Aliás, esta dimensão de “ternariedade” e de abertura é essencial para que se dê ágape. Até mesmo o amor materno e paterno para com um filho não seria agápico, e portanto maduro e pleno, se se esgotasse na relação A =» B, B =» A, sem a dimensão B =» C …, que ultrapassa as tentações de amor incestuoso ou narcisista. Esta necessidade de reciprocidade, o avançar ainda que não exista resposta, tornam o agape uma experiência relacional simultaneamente vulnerável e fértil. O ágape é uma ferida fecundíssima. É o ágape que transforma as comunidades em lugares acolhedoras e inclusivas, com portas escancaradas e que nunca se fecham, que desmonta hierarquias sacrais, ordens e castas, e toda a tentação de poder.
O ágape, além disso, é essencial para todo o Bem comum, porque conhece também um tipo de perdão capaz de anular o mal recebido. Quem quer que tenha sido vítima do mal, de qualquer mal, sabe que esse mal feito e recebido não pode ser plenamente compensado ou reparado com penas e indemnizações civis. Continua a operar, é uma ferida que permanece; a menos que um dia se encontre com o perdão do agape que, diferentemente do perdão do eros e da philia, tem a capacidade de sanar todas as feridas, ainda que mortais e de as transformar na aurora de uma ressurreição.

Existe, porém, uma tese que atravessou a história da nossa cultura. O ágape – diz-se – não pode ser uma forma de amor civil porque, devido à sua vulnerabilidade, tal não seria prudente. Poderá ser vivida apenas na vida familiar, espiritual, talvez no voluntariado; mas na praça pública e nas empresas teremos que nos contentar apenas com os registos do eros (incentivos) e, na melhor hipótese, daphilia. Uma tese muito radicada, porque se baseia sobre a evidência histórica de muitíssimas experiências nascidas do ágape que retrocederam depois para mera hierarquia ou comunitarismo.
É a história de tantas comunidades que começaram com o ágape e que diante das primeiras feridas se transformaram em sistemas muito hierárquicos e formalistas. Ou experiências que nasceram abertas e inclusivas e que, após os primeiros fracassos, fecharam as portas expulsando os diversos. A história é também o repetir destes “retrocessos” que, porém, não reduzem o valor civil do ágape e que deveria impelir-nos a introduzir mais ágape, não a retirá-lo, na política, nas empresas, no trabalho. Porque sempre que o ágape surge na história humana – mesmo se por pouco, pouquíssimo, tempo – não deixa nunca o mundo como estava. Eleva para sempre a temperatura do humano, crava um novo prego na rocha, e quem amanhã retomar a escalada partirá um metro, ou centímetro, mais acima.

Nenhuma gota de ágape se perde na terra. O ágape abre o horizonte de possibilidades de bem do humano, é o fermento e o sal de todo o bom pão. O mundo não morre, e a vida recomeça cada manhã, porque existem pessoas capazes de ágape: «Agora existem três coisas: fé, esperança, e ágape. A maior de todas é o ágape».
 
Luigino Bruni
In Avvenire

Balanço negativo da liberalização do aborto



A Federação Portuguesa pela Vida quer mais informação de apoio à grávida e o fim da gratuitidade da interrupção voluntária da gravidez. No balanço dos sete anos sobre o referendo, a Federação Portuguesa pela Vida faz um retrato negro da aplicação da lei.

Em sete anos foram realizados cerca de 120 mil abortos em Portugal. Números que preocupam Isilda Pegado, da Federação Portuguesa pela Vida. “Em relação às 120 mil pessoas é como se pensássemos que Aveiro, que é uma cidade grande, de um momento para o outro ficasse sem gente. Era uma cidade fantasma. Foi aquilo que fizemos nestes sete anos. Fizemos uma cidade fantasma. E por isso, temos algumas salas vazias de crianças, porque algumas já estavam a ir para a escola e, por isso, temos professores sem alunos”.

O que faz falta, diz Isilda Pegado, é “mudar a regulamentação que está implementada em Portugal. É preciso que haja mais informação dos sistemas de apoio à grávida. Essa informação não é dada. É dada toda a informação ao aborto, mas em relação ao prosseguimento da maternidade essa informação é omitida”.

Além disso, sublinha, é essencial “valorizar de forma muito efectiva a maternidade, nomeadamente através das leis do trabalho. É preciso que deixe de existir o subsídio de maternidade para quem faz um aborto”.

Os números de sete anos sobre o referendo que despenalizou o aborto até às 10 semanas de gravidez não se esgotam nas 120 mil interrupções da gravidez registadas.
Há outros dados importantes, resultado do cruzamento de dados da Direcção-Geral da Saúde com outros do Instituto Nacional de Estatística.

“Aquilo que vemos, comparando os dados que estão disponíveis no INE relativamente à coabitação das mães que têm filhos e os dados quer a DGS disponibiliza também sobre o mesmo indicador, é que há um número de abortos igual a 80% do total de nascimentos das mães que não vivem com o pai do seu bebé, enquanto nas mães que vivem com o pai do seu bebé este número é de apenas 12%”, explicou Francisco Vilhena da Cunha, da Federação Portuguesa pela Vida.

Dois dados apresentados esta tarde, no Parlamento, durante o colóquio “Sete anos sobre o referendo do aborto: como estamos hoje”.

Fonte: Rádio Renascençahttp://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=138744

O matrimónio feliz



O cônjuge ideal é aquele que em cada amanhecer alimenta o amor com um novo favo de mel; e que, antes de nascer o sol, se dirige ao jardim interior para cortar um cravo coberto de orvalho, e o oferece ao outro sem dizer palavra.
O cônjuge ideal é aquele que sabe que o matrimónio é como um mar dilatado e que os dois são navegantes que todos os dias saem para o mar alto, à descoberta de novos mundos em águas desconhecidas.
Um cônjuge que sabe que a realidade do outro não reside naquilo que ele revela, mas naquilo que não pode ser revelado.
Um cônjuge que sabe e aceita que, para descobrir a verdade, são necessárias duas pessoas: uma para dizê-la e outra para escutá-la.
Um cônjuge que sabe que, quando se voltam as costas ao sol (do outro cônjuge) só se veem sombras


Ignacio Larrañaga

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

2/3 das mulheres que abortaram na Inglaterra faziam contraceção

WARWICKSHIRE, UK, February 5, 2014 (LifeSiteNews.com) – The claim that increasing contraception reduces abortion received a death blow this week from the UK’s biggest abortion provider. Figures from the British Pregnancy Advisory Service (BPAS) reveal that a staggering two-thirds of women having an abortion were using a contraceptive at the time they conceived.
“Ultimately women cannot control their fertility through contraception alone, and need accessible abortion services as a back-up for when their contraception lets them down,” said Ann Furedi, BPAS’ chief executive, in a press release.
BPAS looked at the contraceptive use of 156,751 women aged 15 and over visiting its clinics for an abortion between January 2011 and December 2013.
“Two thirds (66%) of women having an abortion at bpas reported using a form of contraception when they conceived. 40% of these say they were using the contraceptive pill, the most popular prescribed contraceptive in the UK,” the abortion organization stated in a report titled “Women trying hard to avoid unwanted pregnancy.”
Figures on condom use for preventing pregnancy were almost as dismal as those of the pill.
Over a third of women (35%), about 54,862, having an abortion at BPAS became pregnant while using condoms.
Furedi tried to downplay the failure behind contraception. “An unintended pregnancy is often a happy accident,” she said in a press release. "Contraception fails and sometimes we fail to use it properly. In our experience women are trying hard to avoid unwanted pregnancy, or sometimes vastly underestimate their own fertility.”
Furedi’s statement on abortion as a solution for failed contraception echoes those of Joyce Arthur, founder and executive director of the Abortion Rights Coalition of Canada, who admitted last year that “[m]ost abortions result from failed contraception.”
While proponents of legal abortion often argue that increasing contraceptive use reduces abortion, pro-life critics say the dramatic rise in abortion numbers across the globe over the last few decades is directly linked to the influx of contraceptive pills and devices.

Dr. Malcolm Potts, former medical director of the International Planned Parenthood Federation, predicted in 1973 that as “people turn to contraception, there will be a rise, not a fall, in the abortion rate.”
Anthony Ozimic, communications manager for the UK’s Society for the Protection of Unborn Children (SPUC), told LifeSiteNews that there is a “growing body of evidence that the provision of contraception not only fails to prevent unplanned pregnancies but results in unborn children being victimised to death as the unwelcome consequences of so-called contraceptive failure.”
A 2012 Russian study found that while Russian women had the highest rate of contraceptive use when compared to surrounding countries, they also had the highest abortion rate. The researchers were clearly perplexed when they found “higher odds of modern contraception” led to a “higher level of abortion,” calling their findings “contradictory,” “unexpected,” and “paradoxical.”
A 2011 Spanish study found that as use of contraceptive methods increased in a sample of more than 2,000 Spanish women (49.1% to 79.9%), the rate of abortion in the group doubled in the same period. The researchers were clearly puzzled by the findings of their 10-year study, calling it “interesting and paradoxical” that the large increase in elective abortions was associated with a remarkable increase in the number of women who used contraceptive methods.
Research from the pro-abortion Guttmacher Institute showed in 2011 that a majority of abortions took place in America after contraception failure, stating that “54 percent of women who have abortions had used a contraceptive method [usually condom or the pill] during the month they became pregnant.”
One UK government report found that cuts to contraception did not increase abortion rates, as expected, but may have actually decreased them.
Ozimic suspects that abortion providers will use the BPAS study to push for more contraception.
“Abortion merchants like Ann Furedi use ‘contraceptive failure’ as a leverage for both more abortion and more contraception,” he said.
Ozimic said that contraception’s effect on culture and society has been wholly negative. “It deems unborn human life disposable and discards any notion of individual responsibility for sexual behavior,” he said.