segunda-feira, 31 de maio de 2010

Moda solidária Apatris 21

No próximo dia 2 de Junho, a associação Apatris 21- Associação de portadores de trissomia 21 do Algarve vai organizar no mercado de Faro, pelas 21.30, um desfile de moda cujo objectivo é a recolha de fundos.
A associação atravessa uma grave crise financeira motivada pelo corte de subsídios públicos e, por isso, merece todo o nosso apoio.
Aqui fica um vídeo dos ensaios do desfile no qual irão participar várias crianças com trissomia 21

Não deixa de ser interessante ver a desfilar os heróis da sociedade pós-moderna, do style, do glamour e da estética ao lado precisamente dos seus anti-heróis que representam o contrário de tudo isso...

domingo, 30 de maio de 2010

Uma frase e um poema para os que continuam a lutar pela VIDA

"Se a missão fosse fácil, estavam cá outros."




"Há Homens que lutam um dia, e são bons;
Há Outros que lutam um ano, e são melhores;
Há Aqueles que lutam muitos anos, e são muito bons;
Porém há Os que lutam toda a vida
Estes são Os imprescindíveis"

B. Brecht

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O delírio continua....

...agora com as mudanças de sexo

Aprender a relaxar

O emprego, a casa, a situação económica, a família, os filhos, a escola, o trânsito... apenas alguns dos aspectos do nosso quotidiano que, pontualmente ou com mais regularidade, nos causam alguns transtornos e nos fazem abandonar o estado normal de equilíbrio. Paralelamente, consequências como a elevação da frequência cardíaca, da tensão muscular e do estado de ansiedade e irritabilidade são frequentes.
Mas há pequenas rotinas, fáceis de implementar ao longo do seu dia, que ajudam a contornar e/ou superar os agentes agressores do nosso estado de tranquilidade. De uma forma geral, podemos chamar-lhe técnicas de relaxação.
O seu objectivo é "re-centrar" a sua atenção no corpo e nas sensações que dele emanam, libertando por momentos a parte do seu cérebro que está centrada em outros aspectos exteriores. Dedicar toda a sua atenção aos movimentos respiratórios durante alguns minutos é uma das formas universais mais eficazes de atingir este objectivo.

A CONSIDERAR:
Faça pequenas pausas no trabalho. Dirija-se a uma varanda com ar fresco ou com uma vista agradável e contemple a paisagem durante 5 minutos. Vai ver como ajuda!
Experimente, por exemplo, parar o carro e fechar os vidros na hora de maior tráfego rodoviário, colocar uma música calma e agradável, respirar de uma forma mais pausada e profunda, sorrir e... relaxar!
Em casa, procure uma divisão silenciosa e coloque-se numa posição confortável (preferencialmente sentado ou mesmo deitado(a), sem adormecer). Concentre-se de seguida em cada parte do seu corpo, de uma forma isolada, e imagine que a mesma se torna cada vez mais pesada. Ou que, por exemplo, está a ser atravessada por uma onda de calor. Concilie esta sensação com uma respiração abdominal profunda.
Aproveite também pequenos momentos no trabalho ou no carro para alongar os diferentes grupos musculares. A região cervical, dorsal e lombar são alvos frequentes de tensões pelo que merecem atenção extra.
Não esqueça que estes minutos são só e completamente para si. Dê a si próprio esse direito! Terá depois mais energia para os outros...
Estas e outras sugestões em
www.rituais.net.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Bookcrossing em Faro


A associação Faro 1540, cujo presidente da direcção é o nosso colega de blogue Bruno Lage, lançou uma excelente iniciativa de promoção da cultura nas ruas de Faro:


Caros associados e amigos,


Tal como já tinha sido referido, a nossa associação está a dinamizar obookcrossing no concelho da capital algarvia.
Recorde-se que Faro apesar de ser uma cidade universitária e capitalde uma das principais regiões do país, não tinha este movimento bem enraizado apesar de Portugal ser dos países europeus onde estemovimento tem maior expressão sobretudo nas cidades de Lisboa e Porto.

Esta realidade levou a “FARO 1540” a considerar mais oportuno que numa1ª fase, em vez de serem libertados livros aleatoriamente em cafés,bancos de jardins e escolas como habitualmente acontece, fossepromovido a difusão deste conceito por intermédio de Crossing Zones ouZonas Oficiais de Libertação (ZOL), onde todos os cidadãos poderãolevantar e depositar os livros e publicações.Assim, com o lançamento do projecto dinamizado pela “FARO 1540”, vão ser libertadas nos próximos dias perto de duzentas publicações pelas12 entidades que se associaram a este projecto e que vão fazer deFaro, de acordo com as informações contidas no site BookcrossingPortugal, a maior cidade do país em número de ZOL´s.

As Zonas Oficias de Libertação aderentes, todas elas identificadaspelo cartaz ZOL, nesta primeira fase foram: Associação deSolidariedade Social dos Professores (Delegação do Algarve),Biblioteca António Ramos Rosa, Bibliotecas da Universidade do Algarve(Gambelas e Penha), Centro Azul (Praia de Faro), Escola SecundáriaJoão de Deus, Espaço C, Espaço Internet (Sto António do Alto), Faro1540, Hagabê Informática (Loja Faro), Nordik Bar e SociedadeRecreativa Artística Farense (“Os Artistas”).

Para além dos nossos associados que contribuíram de forma efectivapara o sucesso desta iniciativa (Laura Lage, Idália Sebastião,Salvador Santos, Leitão Correia) temos de agradecer à Câmara Municipalde Faro, Escola Secundária João de Deus, Associação de Solidariedadedos Professores e à Delegação Regional da Cultura o facto de teremdoado diversas publicações para este projecto.

Espera-se que este movimento seja “realimentado” a partir de hoje pelos diversos leitores (bookcrossers) e também pelas ZOL aderentes aeste projecto, garantindo assim, que exista sempre disponível umconjunto razoável de publicações e livros que poderão circular entrediversos bookcrossers em vez de estarem parados e esquecidos emestantes.

A “FARO 1540” apela a todos vós que continuem a doar livros a estaassociação, que depois de registar e etiquetar as referidaspublicações no site bookcrossing.com serão posteriormente libertadaspelas ZOL farenses, passando a fazer parte integrante desta“biblioteca mundial” e a estar ao dispor de milhares de bookcrossers.


Com os melhores cumprimentos,

Bruno Lage

(Recebida por e-mail)

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Campanha do Banco Alimentar contra a Fome


No próximo fim-de-semana: 29 e 30 de Maio de 2010

Degenerescências


A meu ver, uma das razões para a degenerescência que é o casamento homossexual resulta precisamente da actual degenerescência do casamento heterossexual.


Hoje em dia, o casamento heterossexual perdeu, em grande parte, o seu sumo, o seu sentido de compromisso, de estabilidade e de solidez onde os filhos crescem.


Às primeiras discussões, divergências, falhas ou fracassos fala-se e recorre-se, logo, ao divórcio.


O início e o fim do casamento heterossexual passou a ser, em muitos casos, um mero fruto de um capricho.

E é também por caprichos que os interesses dos filhos são subalternizados em face da supremacia do ego e orgulho dos pais.

A união de homossexuais e o Presidente da Republica

O título mais exacto do comentário que se segue seria “A pirueta da triste figura”.
Senti um arrepio, quase vómito, quando acabei de ouvir o Prof. Cavaco Silva.
Que vergonha, senti. Por ele, claro. E pelo país.
Assim ficou para a história como o padrinho (the best man) dos homossexuais, por incoerência da sua decisão, quando poderia ter passado à História como alguém que sem disfarce piedoso e paternalista segue as suas convicções, independente de votos e oportunismos.
Seria bem preferível que, sem mais, tivesse promulgado o tal “casamento”, porque sim, porque assim o achava.
Mas vir dizer a todo um país que ele pensou bem e não está de acordo e deu provas disso, que há outros modos e figuras jurídicas para o caso que são seguidas nos países que ninguém se atreve a chamar de atrasados; mais, que só uma minoria na Europa assumiu esta forma e, depois, num salto mortal, conclui ao contrário e promulga!
O dito por não dito.
Claro, arranjou duas “razões”. Falsas. E uma delas é ofensiva da dignidade e inteligência de um povo: estamos tão em crise e tão miseráveis que não nos podemos distrair com este tipo de debates!
Ora, estes temas humanos é que são sérios, até porque a verdadeira crise é de valores.
O Senhor Presidente pode ter a certeza de que o povo, “na sua menoridade” o que vai discutir é sobre futebol em África e o campeonato do Mundo.
A outra razão também é “enorme”! A Assembleia vai aprovar outra vez e já não será possível vetá-lo. Pois não seria, se não houvesse outras coisas a fazer. Até dissolver a Assembleia seria possível. Aliás ninguém pode garantir em absoluto que uma lei passe (ou não) e que não haja mudanças de opinião, sobretudo quando a maioria não está assim tão garantida! De facto, usar tal argumento e agir assim com tal pirueta é como se alguém dissesse “vou-me suicidar porque é certo que dentro de algum tempo morrerei”.

Eis aqui um exemplo de um mau discernimento, do que é deixar-se levar pelas aparências de bem, do que é não clarificar nem assumir as verdadeiras motivações e arranjar “boas” razões, saídas airosas para proteger as próprias conveniências.
Enfim, não se podem julgar as pessoas, mas as piruetas, sim.

Vasco Pinto de Magalhães s.j.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Lei "decadente, degradante e degenerada", Alberto J. Jardim sobre lei do casamento homossexual - RTP Noticias, Áudio

Política - Lei "decadente, degradante e degenerada", Alberto J. Jardim sobre lei do casamento homossexual - RTP Noticias, Áudio

Se Alberto João Jardim fosse primeiro-ministro,

a lei que consagra o casamento entre homossexuais "era imediatamente revogada".



"não promulgaria, obrigava os partidos da pseudo-esquerda a ter que votar e aprovar de novo, se eles assim o entendessem, uma lei que é degenerativa, que é degradante e que é humilhante".




"os princípios estão acima das conjunturas sejam económicas, de opinião pública ou de costumes".


Leia o artigo completo

A LEI NASCEU COXA, SEM AS MULETAS DO PRESIDENTE ARRISCA-SE A TROPEÇAR

A Plataforma Cidadania Casamento assistiu com alguma surpresa à tomada deposição do Presidente Cavaco Silva na promulgação da lei ao casamento entrepessoas do mesmo sexo. Não conseguimos compreender a indiferença do Presidente perante aquele queé o sentir da sociedade portuguesa seja na rejeição do casamento entrepessoas do mesmo sexo, seja na defesa da realização de um referendo sobre a matéria.
Para se aperceber desse sentir bastaria ao Presidente ter presentes os seguintes factos:
- 100 Mil pessoas de norte a sul de Portugal em três semanas apenas subscreveram uma Iniciativa Popular de Referendo numa época do ano entre todas a mais desaconselhada para a obtenção deste resultado (o mês deDezembro);
- 21 Presidentes de Câmara Municipal pertencentes a diversos partidosassinaram essa mesma Iniciativa Popular de Referendo e numa iniciativainédita 20 capitães de Abril subscreveram uma carta aberta sobre estaproposta de lei expressando a sua adesão à ideia de um referendo;
Não há desde o inicio desta discussão uma só sondagem (por telefone, onlineou outro qualquer meio) em que os resultados saiam do seguinte padrão: maisde 50% de opiniões adversas ao casamento entre pessoas do mesmo sexo,percentagens maiores de rejeição da permissão de adopção por estes "casais"e mais de 50% de opiniões favoráveis à realização de um referendo sobre amatéria;
A maioria da opinião publicada (gente da cultura, protagonistas da sociedadecivil e políticos de vários partidos) manifestou-se no mesmo sentido de exigência do referendo e rejeição da modificação do regime do casamento;
Consideramos mais "compreensível" que o governo socialista tenha imposto aditadura do silêncio no parlamento no momento de voto do referendo impedindoa realização do mesmo, do que o Presidente de todos os portugueses tertomado uma posição que viabiliza a todo o custo esta lei, não defende overdadeiro interesse das famílias nem o interesse nacional, (a)funda a suaposição em "razões" desconexas e defrauda aqueles que em si votaram.Procedendo dessa forma o Presidente abriu uma verdadeira crise política queem consequência da ética da responsabilidade por si invocada não deixará deproduzir os seus efeitos: a divisão da sociedade portuguesa num momento emque é tão necessária a coesão nacional.
Neste quadro a Plataforma Cidadania Casamento, cuja presença em todas asnossas cidades não cessa de crescer, saberá estar à altura das suasresponsabilidades e continuará sem cessar, pelas formas que em cadacircunstância política forem as mais adequadas, a dar corpo e voz ao clamorpopular de um referendo sobre esta matéria, preparando inclusivamente assoluções jurídicas que forem necessárias na sequência da eventual revogaçãodesta lei, se esse for o sentido da decisão que vier a ser tomada.
Esta Lei nasceu coxa, sem as muletas do Presidente arrisca-se a tropeçar,mais tarde ou mais cedo será referendada.
Lisboa, 18 de Maio de 2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

PROGRAMA DO ENCONTRO VIDA

Dia: 5 de Junho de 2010 (sábado)

Horário: 10h00m-13h00m

Local: Seminário Diocesano de Leiria

1. Comunicação acerca da última Assembleia-Geral da Federação Portuguesa pela Vida.

2. Balanço e ponto de situação sobre a campanha pelo referendo ao casamento.

3. Aborto: apresentação e juízo crítico sobre as estatísticas oficiais.

4. Outros assuntos de defesa da Vida: educação sexual, eutanásia, lei do divórcio.

O encontro conta com a presença de:

Dr.ª Isilda Pegado, Presidente da Federação Portuguesa pela Vida

Dr. António Pinheiro Torres, Advogado

Junte-se a nós no almoço:

Almoço: Em O Paço (por baixo do edifício da Zara) 8,50€ por pessoa (self-service)

Confirmar a presença, impreterivelmente, até dia 30 de Maio, para o número 962403989.

Nota:

O Encontro Vida destina-se apenas a grupos, instituições

e pessoas singulares interessadas na defesa dos

valores da Vida.

DIVULGUE ESTA INICIATIVA AOS INTERESSADOS.

Encontro Vida em Leiria 5 de Junho


A ADAV-Leiria, Associação de Defesa e Apoio da Vida, tem o prazer de convidar V. Ex.ª a participar no próximo

Encontro Vida, no dia 5 de Junho (sábado), a realizar-se no Auditório do Seminário Diocesano de Leiria, das 10h00m às 13h00m, conforme programa em anexo.

O encontro contará com a presença da Dr.ª Isilda Pegado, Presidente da Federação Portuguesa pela Vida e do Dr. António Pinheiro Torres, advogado, para além de estarem representados vários grupos que, nos últimos anos, têm lutado pela causa da Vida.

Os Valores da Vida merecem o nosso profundo empenho, pelo que contamos, desde já, com a sua presença.

Com os melhores cumprimentos,

A Presidente da ADAV-Leiria,

Isabel Maria Farinha Lopes

domingo, 23 de maio de 2010

Que conclusões?

Depois de 92.000 assinaturas, a pedirem um referendo sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo, terem dado em nada, e depois dos últimos acontecimentos em Portugal, há, pelo menos uma conclusão a tirar: os Portugueses estão cá é para pagar impostos. Isto não é fazer política séria.

sábado, 22 de maio de 2010

Itália- Congresso Europeu de Famílias Numerosas Famílias

Gostaríamos de vos convidar a juntarem-se às Famílias Numerosas Italianas da ANFN (Associazione Nazionale Famiglie Numerose) para celebrarmos o CONGRESSOINTERNACIONAL DA ELFAC que decorre a partir de Sábado 31 de Julho aSegunda-feira 2 de Agosto de 2010 na bonita Riviera Romagnola, o mais apetecido destino de Verão Italiano, onde o mar, o sol, a comida e o bom-humor se combinam numas maravilhosas férias em família.O Congresso será uma magnífica oportunidade para estabelecer amizades,encontrar e ficar a conhecer diferentes maneiras de ser uma famílianumerosa, para comparar políticas e problemas, para partilhar esperanças eexpectativas numa Europa mais amiga da família.
As Famílias Numerosas são apenas uma pequena percentagem de famílias nonosso Continente, mas estamos motivados e entusiasmados pelos nossos filhos,para lutar por um futuro melhor. Estamos ansiosos por partilhar com outros onosso amor pela vida e pelo futuro, para testemunhar que as crianças são onosso bem mais precioso, que a vida deve ser acolhida e valorizada pelo queé: o mais valioso presente que temos recebido e que podemos dar.
Venha ejunte-se a nós na Riviera Romagnola, venha e junte-se a nós para que aEuropa fique a saber que as famílias numerosas existem e estão orgulhosas dasua escolha porque é uma boa escolha para toda a sociedade.As famílias numerosas, as famílias, não precisam de assistência social, masprecisam de políticas orgânicas adequadas para serem capazes de crescer comos seus filhos, apoio adequado para serem reconhecidas por aquilo que são,base fundamental de qualquer estrutura social.
A velha Europa precisa deentusiasmo e criatividade, precisa das nossas crianças para dar aocontinente um futuro estável. Sim, nós podemos ser a esperança do futuro daEuropa: venha e ajude-nos a mostrar isto a toda a gente.
Sábado, 31 de Julho de 2010- 15:00-18:00
Registo e informações, Parque aquático Oltremare Aquafan –visite o site http://www.aquafan.it/
Cerimónia de abertura com Mario e Egle (presidentes da ANFN), e FernandoCastro (presidente da ELFAC)
– Contribuições de oradores italianos eeuropeus em políticas familiares
– Concurso "A cidade da Europa mais amigada família"
- Cerimónia de encerramentoInformações para alojamento: O alojamento para as famílias que querem participar no congresso e prolongaras suas férias até dia 2 de Agosto, estão disponíveis a estes preços, pornoite, por pessoa com pensão completa:
-Adultos 40€
-Crianças dos 13 aos 17
– 30€ -Crianças dos 9 aos 12
– 27€-Crianças dos 4 aos 8
– 22€-Crianças menores de 3 - grátis (refeições pagas no local)
Tarifas incluídas:
-Pensão completa em hotel de 1,2 ou 3 estrelas
-Entrada no parque durante 1 semana
-Serviço de praia em Marinagrande (Viserba), com guarda-sol e cadeiras
-Serviço de entretenimento de crianças (clubes bebé e júnior) e adolescentes
-Festas na praia-Imposto e taxas de serviço
Tarifas não incluídas:
-Refeições extra-Bebidas (apenas água é servida gratuitamente)
-Eventos e excursões que não estão incluídas no programa
Famílias que vão de caravana (2 noites no mínimo) no Campo "Fontanelle" deRiccione.
- 8€ por adulto e 6.59€ por crianças dos 3-9 por noite
Famílias que optem por outro tipo de alojamento por sua conta:
A entrada no parque custa 5€ por pessoa e é válida para uma semana.
Nenhuma taxa de subscrição é necessária para os que ficam alojados noutroslocais por sua conta: durante o congresso as crianças são bem-vindas ao serviço de entretenimento organizado pela ANFN, mas devem efectuar inscrição.

Textos desta semana da rádio Costa D'Oiro



Semana: 18/05/10 a 24/05/10




18 – Dúvidas sobre a homossexualidade


Outra preocupação hoje em dia dos pais é uma possível tendência homossexual do seu filho, desde que o tema deste transtorno afectivo está na rua. A homossexualidade consiste em sentir uma atracção erótica sobre pessoas do mesmo sexo, acompanhado de uma certa indiferença sobre pessoas do sexo oposto. Isto não quer dizer que qualquer pessoa que alguma vez na sua vida tenha experimentado uma relativa ambivalência nas suas tendências sexuais seja gay. Estas tendências aparecem por vezes na adolescência e são passageiras, quando os rapazes estão em pleno desenvolvimento. Inclusivamente, é típico ter sentimentos ambíguos. Os pais devem fomentar uma vida saudável, estimular o contacto com a natureza, desportos, excursões, hábitos de uma boa higiene, horas de sono suficientes, uma alimentação sadia e que tenham um círculo de bons amigos. Mesmo assim, é importante que se esforcem numa luta ascética pessoal, disciplina dos sentidos, da imaginação e força de vontade.

19 – ASPECTOS PARA ABORDAR A EDUCAÇÃO DA AFECTIVIDADE

O que os pais podem e devem fazer com para que os filhos cresçam em harmonia com os afectos:
Ensinar-lhes a interessarem-se pelos problemas dos outros.
Que aprendam a assumir a responsabilidade das decisões tomadas.
Estimular o gosto pelas boas leituras.
Ensinar-lhes a delicadeza no trato com os outros, incluindo o vocabulário.
Serem coerentes na educação, dando exemplo.
Criar um ambiente de confiança.
Ter tempo para eles e saber escutar.
Perdoar e pedir perdão. Os filhos dão-se conta dos defeitos dos pais.
Que saibam que o seu lar é um refúgio, aconteça o que acontecer.

20 – O treino da vontade

A ninguém lhe escapa que aos rapazes de hoje lhes falta vontade. Isso mesmo pode verificar-se nas próprias classificações escolares: se tiram más notas, na maioria das ocasiões é porque não estudam e não estudam porque lhes falta vontade. Para treinar a vontade há que: aprender a dizer que não a pequenas coisas, acostumar-se a se levantar pontualmente, arrumar as suas coisas, fazer a cama ou cumprir um horário.

Actualmente “todo o mundo”, e os pais não são excepção, tem medo de dizer que não, medo à autoridade. Mas, a autoridade com carinho faz falta para ajudar ao desenvolvimento de uma pessoa – os filhos – que ainda não está totalmente formada. O característico desta etapa da vida é a insegurança pessoal, que se acentua com o permissivismo e a falta de autoridade de muitos pais e professores. Se tudo é permitido e não há critérios morais, incrementa-se a insegurança e o medo em adquirir compromissos, aparecendo um certo temor ante as dificuldades do futuro.


21- A Assembleia-Geral das Nações Unidas declarou 2010 - Ano Internacional da Biodiversidade, com o objectivo de se poder reduzir significativamente a taxa da perda de biodiversidade, até ao final deste ano. A biodiversidade refere-se à variedade de vida no planeta Terra, incluindo a variedade genética dentro das populações e espécies, a variedade de espécies da flora, da fauna, de fungos macroscópicos e de microrganismos, a variedade de funções ecológicas desempenhadas pelos organismos nos ecossistemas; e a variedade de comunidades, habitats e ecossistemas formados pelos organismos. A Comissão Nacional da UNESCO, em parceria com a Câmara Municipal de Olhão, irá comemorar o Dia Internacional para a Diversidade Biológica, amanhã, dia 22 de Maio, no Auditório Municipal de Olhão. Estão previstas várias actividades, entre as quais a apresentação de projectos no âmbito da Biodiversidade, exposição de trabalhos da Rede das Escolas Associadas da UNESCO, animação musical e visita ao Centro Histórico.
A diversidade das espécies, a vida na Terra está ameaçada. Compete a cada um cuidar e proteger para ter um amanhã melhor!


24- Os pais são os principais educadores dos seus filhos, tanto no aspecto humano como no sobrenatural, e hão-de sentir a responsabilidade dessa missão, que exige deles compreensão, prudência, saber ensinar e, sobretudo, saber amar; e devem preocupar-se por dar bom exemplo. A imposição autoritária e violenta não é caminho acertado para a educação. O ideal para os pais é chegarem a ser amigos dos filhos; amigos a quem se confiam as inquietações, a quem se consulta sobre os problemas, de quem se espera uma ajuda eficaz e amável. É necessário que os pais arranjem tempo para estar com os filhos e falar com eles. Os filhos são o que há de mais importante; mais importante do que os negócios, do que o trabalho, do que o descanso.

Nessas conversas, convém escutá-los com atenção, esforçar-se por compreendê-los, saber reconhecer a parte de verdade – ou a verdade inteira – que possa haver em algumas das suas rebeldias. E, ao mesmo tempo, apoiar as suas aspirações, ensiná-los a ponderar as coisas e a raciocinar; não lhes impor uma conduta, mas mostrar-lhes os motivos, sobrenaturais e humanos, que a aconselham. Numa palavra, respeitar a sua liberdade, já que não há verdadeira educação sem responsabilidade pessoal, nem responsabilidade sem liberdade"
José Maria Escrivá de Balaguer

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Tomar acolhe Encontro Nacional de Pais Adoptivos e Candidatos à Adopção


A Associação Bem Me Queres realiza sábado, em Tomar, o II Encontro Nacional de Pais Adoptivos e Candidatos à Adopção, no âmbito da sua acção de formação de pais, candidatos e técnicos.


A presidente da associação, Cristina Henriques, disse esta quinta-feira que no encontro de sábado vão ser abordadas temáticas como a avaliação e selecção de candidatos e aspectos que se prendem com a parentalidade e a evolução da criança até à adolescência.


Em debate estarão questões como "estamos preparados para ser pais?", "como (re)nasce o nosso filho?", "já somos uma família?", "quando o nosso filho vem da Bulgária?" ou "o que fazer para que o nosso filho venha de avião?".


Além de especialistas nacionais, o encontro contará com a participação de uma associação búlgara para abordagem do tema da adopção internacional.


Fonte: AO/Lusa

Os novos tipos de família



"Aquilo a que alguns chamam "novos tipos de família" são tão antigos como a humanidade. Qualquer pessoa que leia a Bíblia,a literatura grega, a romana, ou se aproxime daquilo que conhecemos das velhas civilizações egípcia e babilónica, verificará claramente que já naqueles tempos se conheciam as amantes, as mães solteiras, a homossexualidade, o lesbianismo, as uniões de facto, etc.

A novidade hoje não é que de repente a humanidade tenha descoberto novidades em matéria sexual; o que é novo é o preconceito ideológico de querer afirmar que o casamento e essas formas de organizar a vida sexual são a mesma coisa e têm o mesmo valor.

O erro vem de pensar que o casamento não é mais do que sexo, e que qualquer forma de intercâmbio sexual gera uma relação familiar. [...]

Onde não há abertura à vida - ou, pelo menos, vocação estrutural e inicial para ela - não há família".


Benigna Blanco, in Hacer Família

Via Aldeia

Mãos erguidas

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Como o aborto é promovido na América Latina?

Segundo o diretor do escritório para a América Latina do “Population Research Institute”

Primeiro se cria uma polêmica sobre um caso humano dramático de uma criança estuprada; depois se propõe uma lei geral de legalização do aborto. Este processo, adotado em outros continentes, está sendo aplicado na América Latina, como explica a ZENIT nesta entrevista Carlos Polo Samaniego, peruano, antropólogo e diretor do escritório para a América Latina do Population Research Institute desde 2001.

Este consultor de várias organizações na América Latina sobre política familiar analisa dois casos muito parecidos, que levantaram muitos artigos e debates radiofônicos e televisivos nas últimas semanas.

Um foi uma denúncia aos meios de comunicação, em Quintana Roo (México), no início de abril, provocando um debate regional em relação a uma menina de dez anos grávida do padrasto que a estuprou. A menina, que se encontrava em um estado avançado de gestação, não foi submetida ao aborto.

Em 12 de abril, a imprensa brasileira explicava que uma criança de 10 anos havia feito um aborto, com a aprovação de um juiz, em Recife, após ter sido estuprada diversas vezes por seu padrasto.

- Em ambos os casos, algumas organizações solicitavam o aborto para salvar a vida das mães; não é coincidência o fato de irem à imprensa os dois casos ao mesmo tempo?

Carlos Polo: Tudo parece indicar que não. O escritório da América Latina de Population Research Institute vem fazendo monitoração de casos como estes há alguns anos. Analisamos as iniciativas e publicações das principais organizações abortistas na América Latina e detectamos padrões comuns.

Os de Quintana Roo e Recife pertencem a uma grande lista de casos similares "fabricados" para legalizar o aborto na América Latina. Argentina, Peru, Colômbia, Nicarágua e Honduras são alguns dos lugares escolhidos por esses grupos que não buscam o bem-estar das meninas, mas sim impulsionar sua agenda, apelando aos sentimentos de compaixão para implementar confusão na opinião pública. Podemos dizer que buscam semear confusão mesmo dentro da Igreja.

- Em que se baseia para afirmar que os casos são "fabricados"?

Carlos Polo: Temos que dizer que o drama das meninas grávidas é real e sumamente doloroso. O que se fabrica e manipula é a repercussão midiática e a insistência de que o aborto é a única solução. Sobre esta realidade, são montadas campanhas que apresentam o aborto para aqueles que procuram outras saídas fora do aborto como um povo sensível, desumano e incompreensível. Os bispos, sacerdotes e leigos comprometidos, usualmente os primeiros defensores da vida dessas criaturas que estão por nascer, são muitas vezes alvos de ataque. A pressão chega a ser muito forte, como se a tensão estivesse situada no nosso senso de humanidade ao extremo. Mas é tudo parte de uma falácia, de uma grande mentira baseada num drama humano: muitas vezes essas meninas nem correm perigo nem querem abortar. E o pior, depois sofrem as consequências de fazê-lo.

- Esta acusação é muito grave. O senhor está em condições de mantê-la?

Carlos Polo: Cada vez temos mais evidências. Durante muito tempo, suspeitamos que isso acontecia mais ou menos da forma como agora conhecemos bem. Mas foi necessário um grande número de leigos, profissionais em diferentes áreas; nós nos organizamos e trocamos eficientes informações e experiências para que pudéssemos descrever todo o circuito, encontrando os padrões de "fabricação" de casos dos quais se falava antes. Agora, cada vez que é gerado um destes "casos", surgem voluntários para socorrer as meninas e seus pais. Por exemplo, graças a Deus, em Quintana Roo se pôde resgatar a menina e salvar seu bebê.

- E o que lhes revelou o caso de Quintana Roo?

Carlos Polo: O que suspeitamos: que um grupo inescrupuloso havia isolado esta família, ocultando seu paradeiro. Pressionaram a mãe até que concordasse a dar seu consentimento ao aborto, ainda que em sua consciência existia uma insatisfação e uma luta muito grande. Na menor oportunidade de fazer algo diferente, essa mãe e essa menina optaram com alegria pela vida. Mas, lamentavelmente, nem sempre chegamos a tempo. Ficam na memória casos como os de Recife (o primeiro de gêmeos há um ano e agora, mais recentemente, outro). O de "Amélia", na Nicarágua, sobre o qual publicamos uma ampla pesquisa há pouco. Amélia tinha câncer no ovário. Diversas organizações católicas ofereceram ajuda para o tratamento do câncer. Mas as organizações feministas que a mantinham oculta e pediam o "aborto terapêutico" não permitiram que ela recebesse a ajuda. Quando a pessoa vê que a prioridade é o cumprimento da agenda política abortista, então é claro que Amélia, como pessoa, não lhes interessa realmente. Não se trata do aborto para que faça bem à Amélia, mas simplesmente de usar aAmélia para que "faça bem" ao aborto.

- Qual é a origem desta estratégia abortista?

Carlos Polo: De fato, há muitas pistas. Uma delas nos coloca em um documento que, em janeiro de 2003, o Center for Reproductive Rights publicou com o título What Role Can International Litigation Play in the Promotion and Advancement of Reproductive Rights in Latin America? (Qual o papel dos conflitos internacionais na promoção e desenvolvimento dos direitos reprodutivos na América Latina?). Suas autoras, Mônica Roa, Luisa Cabal e Lilian Sepúlveda, são membros destacados desta organização de Nova York que promove o aborto legal e o manifesta abertamente.

Nesse documento, dizem claramente: "Os tribunais podem ser um fórum excelente para produzir a mudança". Também afirmam que, nesta estratégia de litígios, sua última oponente é a Igreja Católica. E afirmam que tudo isso se inicia por "examinar o processo de identificação de temas e casos". Abertamente, o Center for Reproductive Rights expõe como sua própria equipe de advogados e suas organizações associadas apresentaram os quatro "casos" citados no documento. Um deles, o da peruana Karen Llantoy, foi utilizado anos depois como argumento por Mônica Roa na sentença que legalizou o aborto na Colômbia.

- Voltando aos casos de Quintana Roo e de Recife. Conte-nos brevemente o que aconteceu em cada um destes "casos".

Carlos Polo: Como se diz, em Quintana Roo se atuou a tempo e foi possível salvar a menina e seu bebê. O "caso", como estratégia abortista, fracassou em todos sentidos. Não houve aborto. Nem as autoridades nem a opinião pública ficaram impressionadas. E o bispo de Cancun-Chetumal, Dom Pedro Pablo Elizondo, L.C., esteve muito consciente da assembleia que procurou criar divisão e dúvidas.

Em Recife, infelizmente, o "caso" terminou com aborto. Ao contrário do México, no Brasil os hospitais do governo oferecem todas as facilidades para abortar em casos de estupro. Mas poucas mulheres estupradas no Brasil escolhem abortar. Este recente caso em Recife tem um componente adicional que confirma muita de nossas informações com a deturpação que a imprensa fez com relação às declarações do arcebispo, Dom Fernando Saburido, dando a impressão que este aprovava o aborto em certos casos de meninas estupradas, para salvar sua vida. É como se utilizasse "argumento de falsa misericórdia".

O mesmo arcebispo teve de acompanhar essa campanha de desinformação com uma nota em que acusa o Diário de Pernambuco de manipular suas declarações. Segundo refere o arcebispo, o jornalista lhe fez a mesma pergunta em várias ocasiões e de diferentes formas, para depois selecionar aquela resposta entre todas que poderia apresentar a manipulação e falsa interpretação. "Recebeu a comunhão, em todos os sentidos, com a orientação de nossa Santa Igreja, que defende a vida e não admite, sob nenhuma hipótese, que seja eliminada, porque é um dom de Deus e somente a Ele cabe decidir - explicou Mons. Saburido. No caso específico da menina de 10 anos, grávida de quatro meses, vítima de estupro por seu padrasto e submetida a um aborto, estou em desacordo da decisão tomada, que considero anticristã por ter tomado uma vida que poderia perfeitamente ser salva. Não faltaria alguma família disposta a adotar o bebê, oferecendo-lhe afeto e dignidade".

Precisamente esse é o ponto chave para começar a derrotar esta estratégia: unidade no interior da Igreja. O testemunho de fé e ação em Quintana Roo ilumina e confirma perfeitamente as palavras do bispo de Recife, e vice-versa. A força do Evangelho da Vida acolhido e testemunhado é mais potente que qualquer vertente abortista.

- Alguns céticos poderiam ainda ter insistido na boa intenção destas organizações ao apresentar estes casos. O que o senhor diz sobre isso?

Carlos Polo: Eu sugeriria que averiguasse como terminam as mulheres concretamente envolvidas nestes "casos". O habitual é o total abandono por parte daqueles que até antes da intervenção eram "seus grandes aliados". Não podemos nos deixar surpreender pela falácia, porque a meia verdade termina sendo uma grande mentira. Qualquer coisa pode ser objeto de uma tentativa de manipulação.

O lema institucional do Population Research Institute é "Colocar as pessoas em primeiro lugar", porque é como uma chave para entender quão prejudicial é o aborto e todos os subprodutos da cultura da morte. E nossa ânsia é servir a todas as instâncias da Igreja para detectar e desmascarar estas manobras. Sabemos muito bem que nestes casos devemos exercitar aquilo que somos como membros do Corpo Místico e cooperar, como um órgão específico, para o bem de todos.

- Finalmente, que recomendação o senhor daria para evitar que haja mais danos com esta estratégia?

Carlos Polo: Que sejamos Igreja. Que nos unamos para pensar, orar, entender e agir pro-ativamente a favor da vida. Que nossos pastores não se sintam sós, porque cada vez somos mais leigos e colocamos nossos talentos profissionais ao seu serviço. Que nossos irmãos se animem a aprofundar neste trabalho e a entrar em contato, como uma grande rede. Só assim podemos enfrentar à altura os desafios do mundo de hoje.
Daqui.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Banco Alimentar faz recolha no Algarve nos dias 29 e 30 de Maio

O Banco Alimentar Contra a Fome do Algarve realiza a 8ª campanha de recolhade alimentos nos dias 29 e 30 de Maio (Sábado e Domingo).

Vimos deste modo apelar, uma vez mais, à colaboração de todos, consoante adisponibilidade de cada um, para participar como voluntário em mais umacampanha.

A sua colaboração tem feito e continuará a fazer toda a diferença. Com aajuda de todos poderemos chegar, mais e melhor, a quem tanto precisa.

- Se ainda não foi contactado para colaborar num dos supermercados e estiverdisponível para o fazer, contacte-nos (indicando o seu local de residência):
voluntariosba@gmail.com
- 969395788
- 916526884
- A sua colaboração no trabalho do armazém do BACF, nesses dias, para fazera triagem dos alimentos, é também muito importante (especialmente nosperíodos da tarde e noite).

Alimente esta ideia! Colabore!!!

A Comissão de VoluntáriosMaria da Encarnação Santos

Mov: +351 96 9395788
Urb. St.º António do Alto, Lt. 72, C/v 8005-101 Faro
Tel: +351 289 872426 Fax: +351 289 873059
voluntariosba@gmail.com
www.bancoalimentar.pt

Dia internacional da família comemorado pela APFN Algarve


O dia internacional da Família foi este ano comemorado pela APFN Algarve com um magnífico piquenique na aldeia cultural de Alte, em plena Serra do Caldeirão perto de Loulé.
Quando pelas 11h começaram a chegar as primeiras famílias, o silêncio próprio do lindo quadro bucólico circundante, foi abafado pelos risos e choros das crianças, conversa animada e entusiasta dos mais crescidos e o preparar do banquete nas mesas de pedra dispostas ao longo da ribeira de Alte.
O dia foi repleto de actividades. Desde um passeio pela aldeia cultural, a um refrescante banho na ribeira, outrora usada pelas lavadeiras, ao piquenique em si.
Um dos momentos altos foi o tão aguardado concurso “Papalabuza”, concurso de sobremesas. Escolheu-se o júri, provaram-se as sobremesas com verdadeira arte de degustação e foi anunciada a sobremesa vencedora. Claro que por fim todos puderam provar os fantásticos doces confeccionados pelas famílias presentes.
Para se poder recordar bem o dia, tiraram-se várias fotografias de grupo. Foi com grande admiração e alegria que se verificou que este evento juntou 11 famílias algarvias num total de 83 pessoas! Só nos resta agradecer a todas as famílias participantes e preparar desde já os encontros que se avizinham para o mês de Junho.
Rita Oliveira

Casamento homossexual: Sarmento discorda de argumentos de Cavaco

O social-democrata, Nuno Morais Sarmento, não concorda com os argumentos utilizados pelo presidente da República para promulgar a lei sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo ao defender que, ao contrário do que Cavaco Silva afirmou, a “primeira ética da responsabilidade é a das convicções”.

Veja o vídeo!

Não deixa de ser interessante pensar-se onde Cavaco irá buscar votos para uma “hipotética” recandidatura. Com esta tremenda contradição tipo não concorda nem veta melhor seria que se deixasse disso de tentar arranjar votos.

Os efeitos de "Bella"


First, we wanted to thank all the fans out there, who helped make our first film, Bella the sensation it was!

Bella was in theaters an astounding 36-weeks and gained incredible critical and commercial success for an independent film. More importantly, because of Bella’s release, more than 100 women decided to choose life because of the message of this film. The Bella Hero Program, which sends free copies of the Bella DVD to pregnancy centers, has already confirmed the 125th baby saved!

The film has also opened doors to spread the message of human dignity across the globe with its international release and the continued public appearances of Metanoia founder and Bella star Eduardo Verastegui from Hong Kong to Darfur.

Thanks to YOU, Bella’s was able to inspire support for life and adoption throughout the world! Thanks to YOU, Bella brought the all-too-often-ignored issues of life and family to the foreground wherever it was played! Because of this and all of your continued support, we want to thank you!!

We want to thank you the best way we can; by continuing to bring important, uplifting and entertaining films to the world. We are currently moving forward with three new films that will continue the message of hope.


(....)

Yours Truly,

Eduardo, Alejandro, Leo, Mitch, Anna, Sally & Jason


(Recebida por e-mail)

terça-feira, 18 de maio de 2010

A promulgação presidencial

Não quero politizar este blogue, até porque este blogue é, por natureza, apolítico.
No entanto, foi com acerto que Pedro Picoito, neste seu post, recordou a figura de Thomas More que colocou os seus princípios à frente dos "interesses de Estado".
Recordo Manuela Ferreira Leite que recusou assumir uma verdade enganosa para assumir uma verdade incómoda e impopular mas que, agora, em matéria de déficit e forma de o combater, está-se a revelar profética e plenamente acertada.
Não foi eleita Primeira-Ministra, não ganhou as eleições, mas certamente que agiu de acordo com o que pensava e, agora, está satisfeita consigo própria.
Como dizia no outro dia o Dr. Bagão Félix, um dos grandes desafios a nível pessoal é o da indivisibilidade de carácter. Ou seja, não actuarmos de forma diferente, de acordo com as circunstâncias e conveniências.
Este é um desafio que nos interpela a todos e nos põe à prova.
Uma coisa é certa:
Que bom é podermos dormir à noite mais pobres ou menos ricos ou com menos honras ou lugares, mas tranquilos por termos actuado de acordo com a nossa consciência.


Seminário em Sesimbra


Convido-vos a participar neste Seminário gratuito nos dias 4 e 5 de Junho.

As inscrições podem ser feitas até ao dia 31 de Maio pelos nºs 21 2288242/3/4/7

ou através do e-mail educacao@cm-sesimbra.pt

4 Junho | sexta


9h • Recepção aos participantes
9.15h • Sessão de Abertura
9.45h • Associação Para a Promoção da Segurança Infantil

• Rita Ferreira
10h • PAINEL I
Escola, Família e Comunidade
II ENCONTRO
4 e 5 de Junho | Cineteatro Municipal João Mota
GNR
Setúbal
Escola
Segura
Colaboração:
Criança, Sujeito de Direitos

Moderador: Maria do Carmo Serrote, professora aposentada, ex-coordenadora do
CAE de Setúbal e ex-presidente do Conselho Executivo da EBI da Quinta do Conde

Criança, Sujeito de Direitos - Uma Nova Cultura

• Armando Leandro, Juiz-conselheiro e presidente da Comissão Nacional
de Protecção de Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR)
A História dos Direitos - Direitos com Histórias

• Ana Perdigão, Instituto de Apoio à Criança
11h • Pausa para café

11.15h • PAINEL II
Crianças em Perigo

Moderador: José Diogo, técnico Psicossocial

Crianças: Que Direitos - Quais os Nossos Deveres?

• Paula Marques, representante do Ministério da Educação na Comissão de Protecção
de Crianças e Jovens (CPCJ) de Sesimbra;
• Teresa Oliveira, professora tutora na CPCJ de Sesimbra
A Intervenção das Entidades com Competência
em Matéria de Infância e Juventude

• Jorge Souto, coordenador da Região Sul da CNPCJR
Prevenção de Maus-tratos e Competências Parentais

• Fausto Amaro, professor, Instituto de Ciências Sociais e Políticas
13h • Almoço livre

15h • PAINEL III
(In)Segurança na Escola vs (In)Sucesso

Moderador: Ana Paula Neto, directora do Agrupamento Vertical
de Escolas Sesimbra Castelo-Poente

Saúde Mental, Escola e Família

• Célia M. D. Sales, professora, UAL, CIS-ISCTE/IUL;
• Joan Palma, UAL;
• Liliana Pilha, CIS-ISTE/IUL
Programa GNR - Escola Segura, Recreio Seguro
e Segurança na Internet


• Comando Territorial de Setúbal - Guarda Contente (GNR Escola Segura)
• Polícia Judiciária – Inspector Chefe Jorge Duque
15.45h • Pausa para café

16h • PAINEL III (continuação)
Crianças Vítimas de Bullying em Contexto Escolar:
Um Direito Atropelado


• Sónia Seixas, ESE Santarém
Projecto Animação de Recreios da Câmara Municipal de Sesimbra

• José Lopes, Câmara Municipal de Sesimbra
Bullying vs Animação de Recreios

• Amália Rebolo Marques, Faculdade de Motricidade Humana
18h • Pescador de Honra

5 Junho | sábado

9.15h • Direito à Inclusão

• Filomena Pereira, coordenadora Educação Espaecial DGIDC
9.30h • PAINEL IV
Unidades de Ensino Especializado
Existente no Concelho de Sesimbra

Moderador: José Carlos Sousa, Equipa de Apoio às Escolas

Unidades de Ensino Estruturado para o Apoio à Inclusão
de Alunos com Perturbações do Espectro do Autismo

• Albertina Moreira, educadora, Céu Bargado e Elisa Simão, professoras,
UEE EB1/JI Maçã, UEE EB 2,3 de Santana e UEE EB1/JI Casal do Sapo
Unidades de Apoio Especializado para a Educação
a Alunos com Multideficiência


• Inês Zegre, educadora, UEM EB1/JI Sesimbra
10.30h • PAINEL V
Outras Respostas Educativas do Concelho

Moderador: Nuno Mantas, director do Agrupamento de Escolas da Boa Água

Centro de Recursos para a Educação Especial

• Cristina Sampaio, professora, Agrupamento Vertical de Escolas do Castelo
Projecto de Apoio à Infância pela Educação e Saúde

• Eunice Cavaco, educadora, Agrupamento de Escolas da Boa Água
11.15h • Pausa para café

11.30h • PAINEL VI
Boas Práticas Educativas do Concelho

Moderador: Jesus Aldeia, educadora, Agrupamento Vertical de Escolas
Sesimbra Castelo-Poente

Centro de Recursos para a Inclusão - Cercizimbra

• Ana Isabel Van Kriken, psicóloga
Rede de Mediadores para o Sucesso Escolar
Projecto EPIS (Empresários pela Inclusão Social) / CMS

• Teresa Capítulo, psicóloga, Câmara Municipal de Sesimbra
Orientação Vocacional

• Ana Rita Correia, psicóloga, Câmara Municipal de Sesimbra
12.45h • Sessão de Encerramento
13h • Almoço livre

domingo, 16 de maio de 2010

O vício da internet

lei que escraviza as mulheres

"A lei do aborto livre é para muitos uma lei que escraviza as mulheres porque hoje ela pode ser obrigada a abortar pelos patrões, amantes e pais. Esta é a situação de muitas mulheres, pois é raro que queiram abortar por vontade própria. Esta lei, que as escraviza, é ultraliberal e ultracapitalista e não percebo como é que a esquerda em Portugal apoia isto".
D. Duarte Nuno de Bragança
Fonte: DN

Alegria

A mistura de "saudade", alegria e sentido de responsabilidade que nos chegaram dos últimos dias fazem-me lembrar isto:


quinta-feira, 13 de maio de 2010

Bento XVI, o aborto e o casamento heterossexual


"Exprimo profundo apreço a todas aquelas iniciativas sociais e pastorais que procuram lutar contra os mecanismos sócio-económicos e culturais que levam ao aborto e que têm em vista a defesa da vida e a reconciliação e cura das pessoas feridas pelo drama do aborto.

As iniciativas que visam tutelar os valores essenciais e primários da vida, desde a sua concepção, e da família, fundada sobre o matrimónio indissolúvel de um homem com uma mulher, ajudam a responder a alguns dos mais insidiosos e perigosos desafios que hoje se colocam ao bem comum".




Esta foi a mensagem que o Santo Padre hoje dirigiu a todos os homens de boa vontade, católicos, evangélicos, ateus ou agnósticos que participam em iniciativas sociais na defesa da vida e da familia heterossexual.

Por isso, indirectamente, esta mensagem também atingiu este blogue e os seus membros.


O activismo pró-vida português esteve, hoje, representado na saudação pessoal final com o Santo

Padre na pessoa da Dra. Isilda Pegado, presidente da Federação Portuguesa pela Vida e do Dr. Pedro Libano Monteiro, presidente da associação "Juntos pela Vida".


Na audiência estiveram muitos amigos e o nosso colega de blogue José Maria André que espero que nos conte aqui a sua experiência e os ecos da mensagem do Santo Padre.

O efeito da publicidade e dos media nas nossas crianças

Simplesmente assustador !


Inspecção-Geral das Actividades em Saúde detecta irregularidades na prática da IVG


"Os inspectores da IGAS detectaram (...) que não é também certificada a datação da idade gestacional por um médico diferente daquele que autorizou a interrupção voluntária da gravidez".


N.B.- Isto significa que, na prática, o engano do médico ao realizar a datação da idade gestacional não é passível de ser corrigido por outro, impedindo, desta forma, a ivg fora do prazo legal.


O relatório da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde revela ainda que em algumas unidades as interrupções voluntárias de gravidez foram feitas em "salas normais de consultas e tratamentos, sem condições técnicas e legais


N.B.- Isto significa que o argumento utilizado no pré-referendo da "clandestinidade" da ivg invocando alegadas más condições técnicas para a sua realização cai por base...


Apoios à paternidade, maternidade e adopção chumbados

Em tempos de crise, PSD e PS, chumbam propostas do BE e do PCP de mais apoio à paternidade, maternidade e adopção, aqui.

O apoio financeiro é importante e seria exequível num país com as contas públicas em ordem, o que não é o caso.

Com alguma criatividade seria possível adoptar medidas de apoio à paternidade, maternidade e adopção que não passassem necessariamente e só pelo mero apoio financeiro.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Textos desta semana da rádio Costa D'Oiro



Semana: 11/05/10 a 17/05/10



Dia 11 - Na edição do 24 horas do passado dia 22 de Abril, havia um artigo, com Lena Coelho e Teresa Miguel, membros de uma banda que fez furor na década de 80, as Doce, onde partilharam o seu drama publicamente. Teresa Miguel, que foi entrevistada por Eládio Clímaco, no "Há Conversa" na RTP Memória, disse "Às vezes choro porque acho que matei o meu filho. Tenho uma mágoa muito grande pelo que fiz. Fi-lo para não prejudicar o grupo". E afirma que o maior desgosto que tem é não ter filhos.
Lena Coelho, que revela ter feito três abortos, afirma que o aborto é a pior coisa que uma mulher pode fazer na vida e que durante anos chorava perdidamente, designadamente quando via roupa de bebé nas montras.
Ao contrário do que alguns activistas pró-aborto querem fazer crer, o aborto, é uma violência extrema contra a própria mulher. Estes sentimentos aqui descritos persistem e afectam a felicidade da mulher que praticou o aborto.
Além da lamentável perda de vidas que o aborto provoca, já por si suficiente para o mesmo não ser aceitável, há ainda esta dor imensa que as mulheres sofrem ao passar por esta experiência, a culpa que as persegue...
E o ser humano não é um computador... não consegue simplesmente fazer "delete"...A sociedade tem de mudar! O aborto não é solução... As mulheres merecem melhor!Os políticos, em vez de criarem leis que pagam às mulheres para abortar, devem criar leis que apoiem as mulheres na sua maternidade...


Dia 12 - Em matéria de educação sexual, uma das “verdades” que é muito moderno, sofisticado e politicamente correcto afirmar passa pela exaltação do preservativo.

Mesmo na semana em que o Papa Bento XVI nos visita, um grupo de jovens achou por bem divulgar no meio das actividades previstas, centenas de preservativos.
Ser “moderno” implica defender a espontaneidade dos impulsos e instintos sexuais, desde que se use correctamente o preservativo.
No Brasil, um dos países que mais tem apostado no preservativo como forma de prevenção David Uip, director do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo diz que esta deve ser focada, antes, na educação do impulso e da vontade.
“O que determina o comportamento é o impulso”. E vai mais longe “O impulso é maior que o medo”. E indica o caminho a seguir: “Comportamento você não muda com campanha, com informação. Você tem uma chance com a educação continuada, desde a fase pré-adolescente”“A família precisa conversar. Mas trabalhamos muito, temos pouco tempo, o que cria distanciamento. Entendo que é difícil estabelecer uma forma de abordagem. Isso vai muito da maturidade do pai e da mãe, do convívio, da cumplicidade. Essa é a palavra-chave. Primeiro tem que aprender a conversar com o filho. E, antes, tem que aprender a ouvir. O grande truque é saber ouvir o que não está falado. Isso requer um treinamento. Humildade”

Dia 13 – Durante um Verão de escândalos desportivos internacionais envolvendo apostas e abuso de drogas, 2 atletas foram aplaudidos tanto pelo seu carácter quanto pelas conquistas profissionais. Isto passou-se junto ao passeio da fama do basquetebol americano. “Quer gostemos ou não” declarou um dos atletas “como grandes jogadores da liga, somos exemplos a seguir. A única pergunta é: seremos um exemplo positivo ou negativo?” O outro atleta compartilhou o seu sentimento:”É mais do que apenas jogar basquete… tu és responsável, precisas de tomar decisões correctas e mostrar às pessoas como as coisas devem ser feitas”.
As pessoas observam-nos diariamente. Fazer concessões desonrosas faz com que outros se desiludam, enquanto demonstrar carácter, acalenta a esperança. Que tipo de exemplo seremos para aqueles que nos observam hoje? (adaptado)

Dia 14 – À semelhança de outras escolas do distrito de Faro, também a EB1 com JI Pedra Mourinha em Portimão, tem vindo a promover actividades inseridas no projecto Escola Activa. Projecto este associado à preocupação com a obesidade infantil, e para fazer face a tal situação, a escola já convidou o nadador Alexandre Agostinho para falar aos alunos da sua experiencia como atleta, os intervalos são animados com jogos, música e dança, bem como tem vindo a oferecer outras acções de sensibilização para hábitos de vida saudável. Compete à família dar continuidade a estes hábitos que só ajudam a que o crescimento das crianças seja pleno de saúde e felicidade.


Dia 17 - Para as crianças é fundamental a pertença a uma família.

O primeiro grupo ao qual todos pertencemos ajuda as crianças a relacionarem-se posteriormente com outras pessoas e noutros contextos. São as ligações familiares que ajudam a criança a entender as regras e a perceber o que é bom e o que é mau… É através das ligações familiares que as crianças se sentem amadas, queridas e protegidas, sendo que estes sentimentos são essenciais para um crescimento em equilíbrio.

Para que isto aconteça, é essencial que os pais estejam muito atentos às características de cada filho, exercendo a sua parentalidade ajustada à maneira de ser de cada criança. Isto vai proporcionar que se criem laços fortes de amor, compreensão e protecção, pois se os pais estão atentos à maneira de ser da criança e tiverem isso presente, vão ser adequados com os filhos e vão estabelecer ligações fortes com eles. É importante dedicar tempo aos filhos, escutá-los, percebê-los mesmo no silêncio. Dar-lhes regras e fomentar a sua autonomia, acarinhar e corrigir…

O dia-a-dia apressado e a falta de tempo faz com que os pais, mesmo que inconscientemente, tomem algumas atitudes erradas. Um erro é escolher o caminho mais fácil…

terça-feira, 11 de maio de 2010

To be Born

Curta metragem: site oficial aqui


Capicúa

Veja o vídeo até ao fim e surpreenda-se...


segunda-feira, 10 de maio de 2010

Deve o Papa Bento XVI recusar a comunhão ao Ministro Silva Pereira ?


O nosso colega de blogue, João Noronha, no seu blogue pessoal Fiat Lux , coloca uma questão pertinente: Se o Papa deve ou não recusar a comunhão ao Ministro Pedro Silva Pereira.


A questão é pertinente porque o Ministro silva Pereira, em várias ocasiões, assumiu-se como católico praticante e é inclusive o responsável pelas relações entre o Governo socialista e a Igreja Católica.


Porém, no último referendo da ivg, foi manifesto o seu apoio à liberalização do aborto a mero pedido, tendo inclusive participado em comícios e sessões de esclarecimento onde defendeu de forma entusiasta essa dama.


Sobre esta matéria, embora do cânone 1398 do Código de Direito Canónico da ICAR não resulte a excomunhão latae sententiae do Sr. Ministro, o que é certo é que o cânone 915, parte final é muito claro ao dispor que "Não sejam admitidos à sagrada comunhão os excomungados e os interditos, depois da aplicação ou declaração da pena, e outros que obstinadamente perseverem em pecado grave manifesto".

De igual forma, resulta clara a solução a dar da interpretação analogica do disposto no cânone 1184 §3 3º.


De qualquer forma, nem vale a pena perder mais tempo, uma vez que o próprio Papa Bento XVI, há uns tempos atrás já escreveu sobre o assunto, afirmando que:


When "these precautionary measures have not had their effect or in which they were not possible," and the person in question, with obstinate persistence, still presents himself to receive the Holy Eucharist, "the minister of Holy Communion must refuse to distribute it"

This decision, properly speaking, is not a sanction or a penalty. Nor is the minister of Holy Communion passing judgment on the person’s subjective guilt, but rather is reacting to the person’s public unworthiness to receive Holy Communion due to an objective situation of sin".




Penso que provavelmente o Santo Padre não será avisado desta situação, pelo que dificilmente se negará a dar a Sagrada Comunhão ao Ministro, mas se o visado utilizar a sua habitual sagacidade política, espero que tenha o bom senso necessário para se manter bem sentadinho...
Fonte da foto: Diário de Trás os Montes

Apoio ao doente oncológico

Informações úteis sobre apoio ao doente oncológico aqui "Movimento viver e vencer" e ainda neste blogue pessoal "Uma Luz na Escuridão".

domingo, 9 de maio de 2010

SEMANA DA VIDA

Conforme anteriormente noticiado neste blog inicia-se hoje, 9 de MAIO, a SEMANA DA VIDA.

"Esta iniciativa vem na sequência do apelo lançado em 1991 pelo Papa João Paulo II, na Encíclica O Evangelho da Vida sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana, ao propor uma celebração que tenha por objectivo «suscitar nas consciências, nas famílias, na Igreja e na sociedade, o reconhecimento do sentido e valor da vida humana em todos os seus momentos e condições, concentrando a atenção de modo especial na gravidade do aborto e da eutanásia, sem contudo menosprezar os outros momentos e aspectos da vida…» (EV 85)."

Mantenha-se informado no site da Comissão Episcopal do Laicado e Família.


A extraordinária viagem de um pai para curar o filho de Rupert Isaacson

Rupert Isaacson tinha sonhado o melhor para o filho, imaginava as brincadeiras, as conversas, os passeios… Depois de Rowan nascer, porém, começou a perceber que o seu sonho nunca se iria realizar. O menino não falava, não reagia, refugiava-se no seu mundo, fechado numa concha invisível. Era autista.
O Menino e o Cavalo é a história real, extraordinária, de um pai que vai até aos confins do mundo para curar o filho. É a aventura de uma família única, que arrisca tudo, movida por uma fé inabalável. E que, nas distantes estepes da Mongólia, consegue finalmente o milagre de abrir a concha, e entrar no mundo misterioso de Rowan.
Daqui.

sábado, 8 de maio de 2010

Os Jovens e o Sexo


Os Jovens e o Sexo: Os Valores da Sexualidade Humana, de Joaquim Galvão
Nota do Editor:

Joaquim Galvão - é médico e confronta-se há largos anos com o problema do sexo na adolescência e os seus problemas, como a gravidez indesejada e o aborto, designação dada à morte de um ser in utero que intencionalmente é substituída pela designação de interrupção voluntária da gravidez para poder ter menor carga emocional e, ainda, com o drama das doenças e infecções de transmissão sexual. Estou conscientemente convicto, de que para a resolução destes problemas importa ultrapassar a falta de valores humanos, cívicos e morais da vida do dia-a-dia. Creio que uma das razões para surgirem na adolescência e juventude estes dramas passa pelas grandes dificuldades em se obter uma pedagogia quepossa abrir as portas ao que chama de Educação da Sexualidade e não só a educação sexual.


Os jovens podem ser educados para a vida e para saúde se se definirem metas e objectivos que valorizem a vida afectiva, os comportamentos libidinais e os sentimentos emocionais dentro de valores como os que dignificam o ser humano em todas as suas dimensões físicas e psíquicas.


"Os Jovens e o sexo" editado pela DEPLANO, para adolescentes, pais eeducadores, é um livro onde se desenvolve, sem preconceitos, o essencial à compreensão da sexualidade de modo a que esta se torne clara e seja plenamente assumida como ideal de vida.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Media: pedofilia ou hipocrisia?


Quando se fala em escândalos de pedofilia na Igreja Católica, e se tenta, de forma sub-reptícia, envolver o Papa, está-se a minar, voluntária ou involuntariamente, a autoridade moral da Igreja, a sua credibilidade, o seu relevo social, a sua respeitabilidade. Numa sociedade em que a falta de ordem, de disciplina, de respeito são cada vez mais generalizadas, os meios de comunicação social têm vindo a provocar na opinião pública, artificialmente, e de forma leviana, uma crescente desconfiança e até animosidade contra a Igreja Católica, instituição depositária da tradição milenar e da fé de centenas de milhões de crentes. Vamos pôr em causa tudo o que de benéfico fez a Igreja ao longo de séculos a pretexto de alguns erros graves cometidos por alguns dos seus membros ou dirigentes?
Quando cai uma aeronave - como sucedeu com o A330 da Air France em voo do Rio para Paris - não é normal deitar culpas ao transporte aéreo, às suas normas e aos seus procedimentos de segurança, muito menos colocar em causa os avançados sistemas das aeronaves ou os complexos protocolos do tráfego aéreo, fundamentais para o bom funcionamento do sistema. Simplesmente se investiga a existência de alguma falha técnica ou humana ocorrida aquando do acidente, sendo introduzidas, caso seja viável, melhorias nos procedimentos e nos sistemas de voo. Pôr em causa quase um século de experiência e evolução técnica da aviação por causa de um acidente?
O que se tem passado na comunicação social nacional e estrangeira, com a acusação recorrente de existência de pedofilia no seio da Igreja Católica, é intolerável. A Igreja Católica, tal como muitas outras confissões religiosas pelo mundo fora, dá um contributo precioso para a humanização e elevação moral das comunidades em que se insere, e também para a melhoria das condições de vida materiais das populações mais pobres e desfavorecidas por todo o mundo. Terá sido mera coincidência ser Madre Teresa de Calcutá uma religiosa católica? Ou terá sido apenas um acaso Timor independente ter dois prémios Nobel profundamente católicos, Ramos Horta e D. Ximenes Belo?
Jornalistas e apresentadores de televisão, em todo o mundo ocidental, falando normalmente com barriga bem cheia e contas bancárias generosamente abastecidas, acusam a Igreja de toda a sorte de crimes e ignomínias, de modo frívolo e irresponsável. A opinião pública deixa-se arrastar sem pensar. Sem qualquer preocupação de contraditório, e com total impunidade, fazem-se julgamentos sumários, sem qualquer rigor ou fundamentação. A venerável Igreja Católica, fundamental pilar da sociedade ocidental, que deveríamos preservar, proteger e apoiar, é ridicularizada e acusada sem qualquer justificação séria. O negócio chorudo das indemnizações judiciais espreita até, nalguns países, a oportunidade de exercer a sua rapina cega.
Aos fazedores de opinião que tanto apontam o dedo à Igreja Católica, nas mais diversas tribunas mediáticas, gostaríamos de fazer apenas duas ou três perguntas.
Perguntar-lhes, por exemplo, porque razão tanto se preocupam com alguns episódios de pedofilia de membros do clero, e nada se preocupam com algo tão terrível quanto o aborto? Não será o assassinato de uma criança um crime ainda mais hediondo que uma violação? Porque razão não condenam eles o sórdido negócio das clínicas para onde a sociedade empurra as mães a matarem os seus próprios filhos?
Perguntar-lhes, também, porque razão consideram eles, na maioria dos casos, a homossexualidade natural, senão mesmo louvável, quando muitas vezes nela estão envolvidos jovens de tenra idade ou jovens dependentes da droga? Porque razão fecham eles os olhos a tantos comportamentos desviantes?
Ou perguntar-lhes ainda porque razão não combatem eles a prostituição que grassa nas nossas cidades, e que campeia nos órgãos de informação, os mesmos em que trabalham e de onde lançam as suas diatribes moralizadoras, e onde essa prostituição é publicitada em páginas e páginas com profusas fotos de carne humana à venda (e de que idades?), traficada bem à vista de todo o público, com total complacência desses mesmos órgãos de imprensa.
Não sabem, não vêm, não percebem? Basta de hipocrisia.

Os eleitores arrependidos


Já aqui tivemos várias vezes a oportunidade de divulgar o testemunho pessoal do Dr. Luis Graça, presidente do colégio de obstetrícia a Ordem dos Médicos:


Antes do referendo, foi um dos grandes apologistas da liberalização do aborto a mero pedido. Agora, em face dos abusos praticados, é um dos grandes apologistas da criação de maiores restricções no acesso ao aborto livre.


Agora, uma eleitora que diz ter votado "sim" confessa-se frustrada e decepcionada pelo rumo que a nova lei está a tomar:


"Eu votei a favor do aborto, mas logicamente não era para as mulheres usarem o aborto como método contraceptivo, mas para terem mais possibilidades de escolha. E confesso que fiquei espantada e desiludida com estes dados, porque quem engravida uma vez e faz um aborto, à partida apanha o susto da sua vida e passa a proteger-se de todas as formas possíveis, mas estas 340 mulheres pelos vistos não aprenderam a lição da primeira vez, ou então gostaram da primeira experiência. Confesso que fiquei chocada com esta notícia".


Google metido entre pró-vidas e pró-aborto

No ano passado, a Google emitiu um comunicado a várias clínicas abortistas, anunciando-lhes a negativa em publicar esses anúncios por ir contra sua "linha editorial".
Em concreto, o site de buscas assegurava que não transmitiria a publicidade destes centros que contenham nas buscas as palavras: "Diagnóstico prenatal", "enfermedades venéreas", "ginecología", "planificación familiar", "planificación familiar, estudios de fertilidad", "planificación familiar, píldora día después", entre outros.
Sete clínicas (....) receberam uma comunicação de Google AdWords, nas que se lhes indicava que se bloqueava sua solicitação, porque a política do site de buscas impede anunciar webs que "promovam serviços de aborto" que sejam dirigidos a 15 países, entre os quais a Espanha.

Aborto e excomunhão


Na sequência do meu anterior post sobre o aborto e os católicos, divulgo agora um texto escrito pelo Pe. e canonista José Alfredo Patrício sobre aborto e excomunhão, a propósito também do caso sucedido há uns meses atrás, no Brasil.


Faço-o, não no intuíto de divulgar uma vertente meramente punitiva e castigadora, mas que para que todos os católicos baptizados saibam que a participação em casos de aborto tem várias consequências negativas e uma dessas consequências é de natureza espiritual e assume particular gravidade


Aqui fica:



A pena canónica é uma medida punitiva que está ligada a um pecado ou a um crime que, pela sua gravidade, exige, ou a mudança de uma determinada conduta por parte de um pecador, ou a prevenção de um abuso.

No âmbito canónico, o aborto propositado que obtenha o efeito pretendido é punido com uma pena automática de excomunhão (cf. c. 1398 do Código de Direito Canónico, que pode-se encontrar aqui:
www.direito-canonico.info). A esta pena automática chama-se pena latae sententiae. Os efeitos concretos e práticos de uma pena de excomunhão estão enumerados no cân. 1331.

No entanto, nenhuma pena pode ser aplicada a um menor de 16 anos: “Não está sujeito a nenhuma pena aquele que, ao violar a lei ou o preceito não tinha ainda completado os dezasseis anos de idade” (cân. 1323 do Código de Direito Canónico).

Além do critério da idade, há ainda outros factores que impedem a aplicação automática da pena de excomunhão: se a pessoa não sabe que um determinado pecado leva consigo a pena de excomunhão, então a pena não se aplica (ou seja, só se pode aplicar uma pena quando a pessoa sabe e está consciente que, aquele pecado que vai cometer, implica também uma pena canónica). Os restantes factores que impedem a aplicação de uma pena automática são: “3.° agiu por violência física ou em caso fortuito, que não pôde prever, ou que, previsto, não pôde evitar; 4.° procedeu coagido por medo grave, mesmo que só relativamente, ou por necessidade ou grave incómodo, a não ser que o acto seja intrinsecamente mau ou redunde em dano das almas; 5.° agiu por causa de legítima defesa contra o agressor injusto seu ou alheio, guardando a devida moderação; 6.° carecia de uso da razão, salvo o prescrito nos câns. 1324, § 1, n.° 2 e 1325; 7.° sem culpa, julgou existir alguma das circunstâncias referidas nos ns. 4 ou 5.”

No caso concreto do caso do Brasil, parece-me oportuno referir o seguinte:


1. Ao contrário do que disseram os jornais na altura, o Bispo da Diocese de Olinda e Recife, não aplicou a pena a ninguém, limitando-se a dizer que o aborto dos gémeos da menina de 9 anos era passível de uma pena de excomunhão. Ou seja, ele enunciou o princípio geral, sendo depois necessário comprovar se estavam reunidos os pressupostos para que a pena canónica fosse declarada. É isto que se percebe do comunicado que, nessa altura, a Conferência Episcopal Brasileira emitiu: “Dom José Cardoso Sobrinho, arcebispo de Olinda e Recife, que tem toda a nossa solidariedade, não excomungou os que diretamente provocaram tal aborto, apenas anunciou que tal ato constituía um delito canônico punido automaticamente com a excomunhão. Nem muito menos defendeu o crime hediondo do padrasto” (
http://www.cnbb.org.br/site/articulistas/dom-fernando-areas-rifan/2587-a-gravidade-do-aborto).

2. As declarações do Bispo brasileiro deram origem a um sem fim de artigos, em jornais, televisões e blogues, de maneira que a Secretaria de Estado do Vaticano decidiu pedir ao Mons. Rino Fisichella, Presidente do Pontifício Conselho para a Família, que escrevesse um artigo sobre a doutrina da Igreja em relação ao aborto. O artigo saiu no Osservatore Romano, a 15 de Março de 2009. Nesse artigo, Mons. Fisichella (que é um teólogo de grande reputação) fala expressamente do caso da menina brasileira, dizendo que, mais do que condenar o culpado, o Bispo devia ter-se preocupado em proteger a menina. (pode encontrar o artigo de Mons. Fisichella, em inglês, aqui: http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1337637?eng=y).


3. Em seguida, a Diocese de Olinda e Recife publicou uma nota de esclarecimento (que pode ler aqui: http://www.arquidioceseolindarecife.org.br/notaoficial.htm)

4. Sabe-se, hoje, que quando Mons. Fisichella escreveu o artigo não possuía todos os dados sobre o caso.

5. O artigo de Mons. Fisichella levantou uma considerável onda de protestos, de tal maneira que a Congregação para a Doutrina da Fé, publicou uma nota sobre qual era a posição da Igreja em relação ao aborto. Esta nota foi publicada no Osservatore Romano, e pode encontrar o texto aqui: http://chiesa.espresso.repubblica.it/articolo/1339277?eng=y a 10 de Julho de 2009.