sexta-feira, 31 de julho de 2009

"How will you say goodbye... to someone you love?"


International Anti-Euthanasia Homepage


Euthanasia Prevention Coalition of BC

Contra a Eutanásia / Suicídio Assistido

"Death with Dignity or Obscenity"
Fall 2008

Canadian Hospice Palliative Care Association’s position on euthanasia and assisted suicide
January 9, 2007

The Euthanasia Debate
June 5, 2006
The Vancouver Sun debates the pros and cons of euthanasia. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Margaret Sommerville
May 19, 2006
Excerpts from an interview with Margaret Sommerville by Zenit. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Stop trying to kill us off
May 9, 2006The legalisation of premature death as a treatment option is a threat to disabled people. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Assisted Suicide Bills Falter in Four States
May 19, 2003
Concerns about pain control lead to a hospice lobbying effort that stalls a physician-assisted suicide ban in North Carolina. Three other states consider legalizing it. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Dignitas: Swiss suicide helpers
April 15, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Activist Targeted In Effort To Curb Internet Promotion Of Suicide
April 07, 2003
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.
American Medical News
March 24/31, 2003
American Medical News on the rise of assisted suicide numbers in Oregon, includes comments by Wesley Smith and PCC. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Execution vans in China
March 14, 2003Beijing rolls out death on wheels; mobile execution vans that dispense lethal injection deemed 'more humane'. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Girl Emerges from Coma During Bryan Adams Concert
March 12, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Autonomy, Not Agony, Reason for Most Assisted Suicides in OregonMarch 11, 2003According to studies, 84 percent of patients who committed assisted suicide in Oregon cited loss of autonomy, a decreasing ability to participate in activities that made life enjoyable and losing control of bodily functions as reasons for their decision. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

State looks at suicide of patient, loss of drug aid
March 7, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

"Death talk": Debating Euthanasia and Physician-Assisted Suicide in Australia
February 17, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Sentence upheld in Green Bay assisted suicide case
February 5, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

French nurse sentenced to 10 years in jail for six murders
January 31, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

'Dead' Man Shocks Family by Asking for a Drink
January 26, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Australian 'Death Machine' Promoter Wants More US Funding
January 14, 2003
Dr. Philip Nitschke, the designer of a machine created to facilitate an 'easy death' seeks further funding from the Hemlock Society, a group in the United States. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Australian Doctor To Build Suicide Machine In U.S.
January 13, 2003
A doctor whose prototype suicide machine was seized as he left his native Australia to attend a euthanasia conference says his U.S. supporters will help him rebuild the device. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Doc Knows Best
January 6, 2003It’ll be too late for you, if he’s wrong. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Death Puts Hold On Suicide Bag Sales
January 5, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Right To Die: It's Sad, Sick and Deadly Dangerous
January 2, 2003
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Dutch Doctor Loses Euthanasia Appeal
December 25, 2002
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Dutch Court Upholds Euthanasia Rules
December 24, 2002.
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Japanese Doctor Arrested Over Suspected Mercy Killing
December 4, 2002
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

"Black Angel" Nurse Gets Nine Years Jail
December 2, 2002This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Australia’s Dr. DeathNovember 26, 2002Spreading the assisted-suicide gospel. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Why Assisted Suicide Must Not Be Legalized
April 9, 2002
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

The All-Too-Familiar Story
2001
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Vulnerable Dutch Citizens are Threatened by Legalized Euthanasia
November 29, 2000
After years of tolerating euthanasia on an unofficial basis, Holland is set to become the first country to legalize the practice. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Marijuana Aids Nerve Pain Relief
August 20, 2000
The major finding of British research into the pain caused by nerve injuries, a pain known to be somewhat resistant to morphine and similar drugs is found to be treated successfully with marijuana. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Marget's Attitude: Is Euthanasia "Humane?"
August 17, 2000
Is Euthanasia Humane? A personal encounter with a practicing Catholic defending euthanasia in the Netherlands. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

The Invisible Epidemic of Pain
May 16, 2000
A recent survey found that four in 10 dying patients were in severe pain most of the time. It is because doctors are treating a symptom which is invisible, and easy to dismiss. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Final Agonies of the 'Easy' Death
February 24, 2000Patients expecting an 'easy' death find themselves waking from an induced coma or suffering unpleasant final hours, the first study of the complications of doctor-assisted death found. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Euthanasia Does not Seem to be Under Effective Control in the Netherlands
February 16, 1999
Assessment of physician-assisted death by members of the public prosecution in the Netherlands. Voluntary euthanasia under control? Further empirical evidence from the Netherlands. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Right to Hospice
September 29, 1998
The House urges the Government of Ontario to appoint a Task Force to recommend the elements necessary to fully implement an effective Hospice Palliative Care "Bill of Rights." This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Gregor Wolbring
July 27, 1998
Why disability rights movements do not support euthanasia: safeguards broken beyond repair. This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

New Way of DyingSeptember 28, 1997
Public pressure has changed the way American medicine deals with the end of life. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Palliative Care
This article is available in printer friendly pdf. and rtf. format.

IAE Words
Words, words, words... like treatment, compassion, comfort care, and terminal--now may mean something far different than they did only a few years ago. They may kill. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Researchers Target Mechanism for Cancer Pain
Tuesday May 2
Researchers have identified a mechanism that may be responsible for some of the excruciating pain caused by bone cancer, and said blocking it might ease some of the agony. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.
Caring NOT Killing!
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Dr. Colin Woolf's Crusade to Legalize Physician-Assisted Suicide, What Could it Mean?
Dr. Colin Woolf is a retired respirologist who is dying of cancer. He is asking Canadians to legalize physician-assisted suicide. This is his story. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

The Dutch Cure: Euthanasia in the Netherlands
Hermina Dykxhoorn's personal testimony of The Dutch Cure: Euthanasia in the Netherlands. This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Dutch Legalization
This article is also available in printer friendly pdf. and rtf. format.

Fonte: Euthanasia Prevention Coalition

Euthanasia Prevention Coalition


The Euthanasia Prevention Coalition exists to build a well-informed broadly-based network of groups and individuals to create an effective social barrier to euthanasia and assisted suicide. Our goal is to help build a stronger unified coalition of those who oppose euthanasia and assisted suicide.

Aborto mais prioritário do que natalidade


Se um aborto custa no mínimo 341€, porque é que aqueles senhores querem oferecer, unicamente, os 200€?
Por isso, o Governo paga mais actualmente para abortar do que para incentivar a natalidade do país!


quinta-feira, 30 de julho de 2009

Toxicodependência e permissivismo


"Portugal precisa urgentemente de uma nova política de combate à toxicodependência, que sublinhe a importância da abstinência e incentive os jovens a dizerem, sem rodeios e sem vergonha, não às drogas.

É extraordinário o que se vem passando no nosso país. Enquanto o fumador se vê cada vez mais em palpos de aranha para dar largas ao seu vício, o jovem que não toma drogas sente-se cada vez mais marginalizado, para não dizer envergonhado, qual “careta” ou “cocó”, no seio dos seus pares!

A mensagem que os governantes portugueses têm feito passar, por responsabilidade de uma política que dá prioridade à redução dos danos provocados pela droga (em detrimento da sua prevenção e tratamento) é peremptória: “consumam drogas se assim o desejarem, que se houver problema nós aqui estamos para vos ajudar depois a reduzir o dano que elas vos causarem”.

Parafraseando a propaganda oficial politicamente correcta, é como se dissessem ao gordo: “não tenhas problema em comer doces que nós depois damos-te insulina para não engordares”…!


Manuel Pinto Coelho
Presidente da APLD - Associação para um Portugal Livre de Drogas

O PS, o Aborto e a política


Algumas pessoas, inclusive que nos são próximas, acham que este blog não se deveria pronunciar sobre políticos, nem sobre partidos políticos e muito menos mostrar-se partidário de qualquer um deles.


De facto, desde sempre, defendemos que este blog deveria ser apartidário.


Porém, não sejamos ingénuos, são os partidos políticos e são os políticos que fazem a política que é depois executada no nosso dia a dia, através dos órgãos próprios.


Não podemos dizer que somos contra o aborto e depois mostrar indiferença ou pura e simplesmente nada dizermos às posições de Obama ou do Partido Socialista Português sobre a matéria.


O que está em causa não é tomar o partido de alguém, mas saber que em matérias fundamentais há que ser claro e saber quem defende o quê.


Eu próprio neste blogue já elogiei e critiquei praticamente todos os 4 partidos e, relativamente ao novo partido Portugal Pró-Vida, desde o início, que foi política deste blogue não aderir às suas iniciativas, sem prejuízo de as divulgarmos, tal como divulgaríamos outra qualquer iniciativa da sociedade civil em favor da vida.


Posto isto, não posso deixar de citar a posição do partido socialista sobre o assunto do aborto, recentemente divulgada.


É bom que todos saibam o que este partido defende sobre esta matéria.


Diz a página 69 do seu novo programa que "Criado que foi o novo quadro legal para a interrupção voluntária da gravidez, com resultados no combate ao aborto clandestino, continuarão a ser tomadas as medidas necessárias para o adequado funcionamento dos serviços e a aplicação da lei. "


Por outro lado, na sua página 64, fico claramente frustrado com a exiguidade, em termos de quantidade e qualidade, das políticas "de apoio às famílias e à natalidade".


Veja-se, aliás, o pormenor.

Não se fala de "de apoio à família", no singular, isto é, enquanto instituição a promover e consolidar, mas sim "às famílias".


Neste ponto, a conta-futuro e o aumento do número de creches com horário alargado é manifestamente pouco, nada se dizendo sobre a promoção da conciliação entre família e trabalho em termos, por exemplo, de criação de creches nos próprios locais de trabalho, entre outros.


Destaco, porém, pela positiva, a questão do enquadramento legal das amas, ponto que tenho vindo, neste blogue, repetidas vezes a chamar à atenção. Parece que ninguém se dá conta da importância da legalização, enquadramento e fiscalização das amas e (tire-se o chapéu), neste particular, o programa do PS, dá um sinal positivo.
P.S.- Esta é a minha opinião pessoal e este é um blogue aberto a comentários onde se pretende também promover a discussão e a diversidade de opiniões, pelo que agradecia que não associassem este post a qualquer posição oficial de todos os seus membros.

O excesso de população é um mito


O fim da objecção de consciência

Nos EUA, uma enfermeira católica foi obrigada a participar num aborto, sob ameaças de processos disciplinares, criminais e redução de turnos.
"It felt like a horror film unfolding," said Catherina Cenzon-DeCarlo, the Brooklyn nurse who says she was forced to aid an abortion against her will. Now Cenzon-DeCarlo is speaking out, describing the terror she felt as she was asked to sacrifice her religious convictions for the sake of her job.
Catherina Cenzon-DeCarlo, a devout Catholic, says she has been having nightmares and difficulty sleeping
ever since the incident took place on May 24, reports the New York Post.
"I couldn't believe that this could happen," Cenzon-DeCarlo told the Post, describing how she was threatened with charges of insubordination and patient abandonment, which could result in possible loss of a job and nursing license, if she did not participate in the abortion.
Although she was told that it was an emergency and the woman would die if she did not assist, Cenzon-DeCarlo observed that the woman had not received the treatments typically given to a patient whose life is in danger as the hospital claimed it was.
She later found out that the hospital itself had declared the case a "Category II," meaning that it was not immediately life-threatening, and that there was a six-hour window for the operation to take place, allowing ample time for the hospital to find a replacement nurse who did not have moral objections to the procedure.
"I felt violated and betrayed," Cenzon-DeCarlo said.
The nurse had clearly stated that she was unwilling to aid in abortions during a job interview with Mount Sinai. She says she had put her beliefs in writing.
Cenzon-DeCarlo went on to explain that she was later told by two supervisors that she would need to sign a statement agreeing to participate in abortions if she wanted any more overtime shifts. Over the next month, she was designated only one overtime shift, instead of the eight or nine she was usually assigned, reported the New York Post.
Fonte: Catholic News Agency

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O divórcio faz mal à saúde


Via João Miguel Gaspar, no Cachimbo, estudo divulgado pela CNN afirma que divórcio causa não só problemas nervosos, mas também cardiovasculares, entre outros.


"There's no erasure of the effects of divorce," Hayward said. "There is intense stress leading up to divorce, stresses during divorce proceedings. Think of divorce as one of the most intense stressors. It leads to what we call dysregulation [impairment] in key cardiovascular process that may be permanently altered. You're not going back to your original set point."

Pandemia de lucro


Mensagem recebida por mail


Amigo/a,
Por favor, toma esta "vacina" de informação!
Devemos estar informados sobre todas as condicionantes das nossas "doenças"...

PANDEMIA DE LUCRO: Que interesses económicos se movem por detrás da gripe A???

No mundo, a cada ano morrem milhões de pessoas vítimas da Malária que se podia prevenir com um simples mosquiteiro. Os noticiários, disto nada falam!
No mundo, por ano morrem 2 milhões de crianças com diarreia que se poderia evitar com um simples soro que custa 25 cêntimos. Os noticiários disto nada falam!
Sarampo, pneumonia e enfermidades curáveis com vacinas baratas, provocam a morte de 10 milhões de pessoas a cada ano. Os noticiários disto nada falam!
Mas há cerca de 10 anos, quando apareceu a famosa gripe das aves os noticiários mundiais inundaram-se de noticias: Uma epidemia, a mais perigosa de todas. Uma Pandemia!
Só se falava da terrífica enfermidade das aves.
Não obstante, a gripe das aves apenas causou a morte de 250 pessoas, em 10 anos, 25 mortos por ano.
A gripe comum, mata por ano meio milhão de pessoas no mundo. Meio milhão contra 25.
Um momento, um momento. Então, porque se armou tanto escândalo com a gripe das aves?
Porque atrás desses frangos havia um galo , um galo de crista grande: A farmacêutica transnacional Roche com o seu famoso Tamiflú vendeu milhões de doses aos países asiáticos.
Ainda que o Tamiflú seja de duvidosa eficácia, o governo britânico comprou 14 milhões de doses para prevenir a sua população. Com a gripe das aves, a Roche e a Relenza, as duas maiores empresas farmacêuticas que vendem os antivirais, obtiveram milhões de dólares de lucro.
-Antes com os frangos e agora com os porcos.
-Sim, agora começou a psicose da gripe A. E todos os noticiários do mundo só falam disso.
-Já pouco se fala da crise económica e muito pouco de outros assuntos.
-Só a gripe A, a gripe dos porcos.
-Se atrás dos frangos havia um galo atrás dos porcos não haverá um grande porco?
A empresa norte-americana Gilead Sciences tem a patente do Tamiflú. O principal accionista desta empresa é nada menos que um personagem sinistro, Donald Rumsfeld, secretário da defesa de George Bush, artífice da guerra contra Iraque. Os accionistas das farmacêuticas Roche e Relenza estão a esfregar as mãos, estão felizes pelas suas vendas novamente milionárias com o duvidoso Tamiflú.
A verdadeira pandemia é de lucro, os enormes lucros destes mercenários da saúde.
Não se nega as necessárias medidas de precaução que estão a ser tomadas pelos países.
Mas se a gripe A é uma pandemia tão terrível como anunciam os meios de comunicação. Se a Organização Mundial de Saúde se preocupa tanto com esta enfermidade, porque não a declara como um problema de saúde pública mundial e autoriza o fabrico de medicamentos genéricos para combatê-la?
Prescindir das patentes da Roche e Relenza e distribuir medicamentos genéricos gratuitos a todos os países, especialmente os pobres. Essa seria a melhor solução.

PASSEM ESTA MENSAGEM POR TODOS LADOS, COMO SE TRATASSE DE UMA VACINA, PARA QUE TODOS CONHEÇAM A REALIDADE DESTA PANDEMIA.

sábado, 25 de julho de 2009

Racismo ou excesso de zelo ?

Esta notícia fez-me lembrar o filme "Crash", de 2004, um dos melhores que vi nos últimos tempos em DVD.
No filme, há uma cena praticamente idêntica à que é narrada nesta notícia.
O filme aborda a questão da segregação racial, mas vai mais longe e enquadra essa questão na temática mais abrangente do relacionamento interpessoal.
A meu ver, ele defende uma teoria interessante:
- Que, por detrás da agressividade e do choque, está subjacente a vontade, o desejo e a necessidade de comunicar e, em última análise, de amar.
Por exemplo, o agente branco que, no filme, comete um acto de abuso policial sobre uma negra, vai depois, mais tarde, reconciliar-se com ela e consigo próprio, numa outra situação muito dramática.

Até a China já se preocupa com o envelhecimento da população


As autoridades locais de Xangai, a maior cidade da China, lançaram uma campanha para incentivar casais a terem um segundo filho, contrariando a tradicional política chinesa do filho único.




Fonte foto: Hiren

ONU continua a pressionar para Timor liberalizar o aborto

A ONU financiou um relatório que tem como objectivo promover a distribuição de preservativos e a liberalização do aborto na ilha.

Aqui

sexta-feira, 24 de julho de 2009

26 de Julho - Dia dos Avós


Neste Dia dos Avós, a APFN quer cumprimentar-vos a todos,


mas muito em especial, àqueles “Grandes Avós” de diferentes idades, cores e saberes,

que hoje, de modo muito particular, são ainda uma referência de bom-senso, ternura e estabilidade, para filhos e netos,

sendo porto seguro nas horas de borrasca,

refúgio de paz no caos das guerras familiares,

colo e consolo para males e dores

de corpo e de alma,

porta aberta e acolhedora,

quando o mundo desaba sobre crianças e jovens,

e o pão falha

ou a residência alterna,

ao sabor do capricho de pais que se odeiam e maltratam,

maltratando os seus próprios filhos,

ao usá-los como armas de arremeço, escudados em leis iníquas, que ilusoriamente os libertem depressa, depressa...

para correrem loucamente, atrás de uma nova e efémera felicidade que lhes foge,

prontos a reiniciar um novo ciclo de paixão- promessa - desilusão,

esquecidos de outras juras de amor que um dia fizeram...

Avós de coração grande,

do tamanho do mundo,

que numa idade em que já mereciam algum descanso, quantas vezes no final de uma vida de lutas e canseiras,

aguentam a barra

com um sorriso,

tratam e lambem as feridas

com carinho,

são a luz que resta ao fundo do túnel

e os fiéis transmissores de valores intemporais.


A estes Avós, quantas vezes incompreendidos,

(ditos “incómodos” e “antiquados”,

por defenderem a Verdade)


Mas sempre disponíveis,

Embora frequentemente esquecidos quando já não necessários...

a estes Avós,

Pedimos que não desistam do vosso papel insubstituível,

E enviamos um abraço de amizade e sincero reconhecimento público


23 de Julho de 2009


(Fonte: APFN)

quinta-feira, 23 de julho de 2009

As prioridades no ensino


Via Paulo Marcelo, do Cachimbo de Magritte

Já em 2015 existirão mais idosos do que crianças com menos de 5 anos


Dados alarmantes divulgados, ontem, dia 22 de Julho, pelo jornal francês "La Croix", a consultar aqui


Vers 2015, la proportion mondiale de personnes âgées de plus de 65 ans dépassera celle des enfants de moins de 5 ans, pour la première fois dans l’histoire de l’humanité

Os efeitos do aborto


Durante a campanha para o último referendo foram muitos os do "não" que se mostraram contra a exibição dos fetos mortos.


Diziam que essa estratégia poderia ser contraproducente na medida em que os "pró-abortistas" iriam chamar-nos de "extremistas", "radicais" ou mesmo acusar-nos de "demagogia".


Os "pró-escolha" (eu prefiro, chamar-lhes "pró-abortistas") argumentam que não é necessário mostrar os pormenores sórdidos do aborto (incluindo a ecografia do feto ainda vivo) para que a mulher saiba que a sua decisão é efectivamente correcta e necessária em face dos motivos que a levaram a optar pelo aborto.


Mas, digo eu, o aborto, o que se vê na ecografia, os "restos humanos" que resultam do aborto não existem ? não fazem parte da realidade do processo abortivo ?


Por exemplo, uma das razões que certamente levarão muitos dos que têm medo de andar de avião a aumentar esse receio, passa pela constatação dos efeitos da queda dos aviões: um avião em queda, a consciência dos passageiros que irão morrer segundos depois, os corpos dilacerados a boiar no oceano, como aconteceu recentemente com o vôo da Air France.


Esta constatação, embora se pudesse dizer que tem um lado "doentio" ou "mórbido", também tem um lado positivo, na medida em que o choque causado pela constatação dos efeitos das quedas dos aviões leva as autoridades a querer evitar e prevenir a queda de mais aviões.


Isto tudo para dizer que nos Estados Unidos, a Graham Collection Fundation optou por promover a divulgação de imagens de fetos mortos como forma de combater o aborto.


Dizem os seus promotores que:

The Grantham Collection is a non-partisan catalyst for action that brings about change through graphically awakening the consciousness through visual facts. The cruelty to these babies are horrifying and heart-wrenching. We will show you what the abortion industry does not want you and the world to see.


Sei que muitos discordarão do que vou dizer, inclusive alguns dos meus colegas de blog, mas pessoalmente acho perfeitamente legítimo que se actue desta forma, o que não quer dizer que não se procure, dentro das imagens em causa, seleccionar as que sejam menos chocantes.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Violência no namoro ou amor verdadeiro




Estudos referem que 1 em cada 4 jovens em Portugal já foi vítima de violência no namoro.

Site Amor Verdadeiro informa e forma sobre esta matéria

Número Verde 800 202 148

Os filhos são o mais importante

"Os pais são os principais educadores dos seus filhos, tanto no aspecto humano como no sobrenatural, e hão-de sentir a responsabilidade dessa missão, que exige deles compreensão, prudência, saber ensinar e, sobretudo, saber amar; e devem preocupar-se por dar bom exemplo. A imposição autoritária e violenta não é caminho acertado para a educação. O ideal para os pais é chegarem a ser amigos dos filhos; amigos a quem se confiam as inquietações, a quem se consulta sobre os problemas, de quem se espera uma ajuda eficaz e amável.É necessário que os pais arranjem tempo para estar com os filhos e falar com eles.
Os filhos são o que há de mais importante; mais importante do que os negócios, do que o trabalho, do que o descanso. Nessas conversas, convém escutá-los com atenção, esforçar-se por compreendê-los, saber reconhecer a parte de verdade – ou a verdade inteira – que possa haver em algumas das suas rebeldias.
E, ao mesmo tempo, apoiar as suas aspirações, ensiná-los a ponderar as coisas e a raciocinar; não lhes impor uma conduta, mas mostrar-lhes os motivos, sobrenaturais e humanos, que a aconselham. Numa palavra, respeitar a sua liberdade, já que não há verdadeira educação sem responsabilidade pessoal, nem responsabilidade sem liberdade"
José Maria Escrivá de Balaguer

Aborto manifesta crise da humanidade


Ao ser perguntado sobre o anteprojeto de lei sobre o aborto na Espanha, o cardeal afirmou que este texto “reflete muitas coisas que estão nos acontecendo” e assegurou que o aborto é “o expoente mais claro da crise de humanidade que padecemos”.


É necessário que a humanidade tome consciência de que a maior crise é o aborto”, afirmou o cardeal, segundo o serviço de imprensa da universidade, e “o mais grave são os 47 milhões de abortos legais que acontecem anualmente, segundo a OMS”.

Também destacou que as leis estão agindo contra o estabelecido: “Elas existem para proteger os seres humanos inocentes, fracos e indefesos, mas são utilizadas para eliminar estes seres humanos”.
Cañizares recordou que todos os agentes sanitários que praticarem o aborto “se excomungarão de imediato, porque o aborto é um crime”.


terça-feira, 21 de julho de 2009

Legislação confusa, contraditória e ameaçadora do bem estar

"O Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) rejeitou, num parecer divulgado ontem, o diploma relativo ao testamento vital e consentimento informado, considerando o articulado confuso, contraditório e ameaçador do bem-estar das pessoas doentes. A decisão coloca um ponto final na discussão do diploma nesta legislatura, protelando o assunto para depois das eleições legislativas."
Fonte: Público
"Confuso, contraditório e ameaçador do bem estar" é a melhor adjectivação para a natureza da péssima produção legislativa que caracterizou esta legislatura, em matérias como o divórcio, o aborto ou esta última do testamento vital.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Família - Semente do Futuro

Documento da APFN disponível aqui.

ÍNDICE
1. Família: grupo estruturante da sociedade
2. Família: responsável natural pela educação dos filhos
3. Família: agente determinante do progresso
4. Família: garante da democracia
5. Família: escola de cidadania
6. Política para a Família
7. Medidas de política de família
7.1. Medidas gerais
7.2. Medidas sectoriais
7.2.1. Fiscalidade
7.2.2. Educação
7.2.3. Saúde
7.2.4. Habitação
7.2.5. Trabalho
7.2.6. Transportes
7.2.7. Segurança social
Notas

Um novo projecto de educação sexual

A novidade da época parece ser a de leis balneares, preparadas de modo apressado para aprovação antes de férias

Recentemente, o Presidente da República alertou para a falta de qualidade de muitos textos legislativos. A falta de qualidade de leis da Assembleia da República e de decretos-leis do Governo não é um problema de hoje. Mas hoje é agravado pela hiperinflação legislativa. No momento em que se avizinham novas eleições, a novidade parece ser a de leis balneares, preparadas de modo apressado para aprovação antes de férias.Entre os frutos sazonais da actividade parlamentar contam-se cada vez mais leis simbólicas, isto é, leis que se destinam mais a marcar a agenda política e satisfazer compromissos eleitorais do que, efectivamente, a legislar para o futuro.A recente proposta de lei relativa à "aplicação da educação sexual em meio escolar" (Projecto de Lei n.º 660/X) é um bom exemplo do que não deve fazer-se.
Ninguém contesta ser necessário que jovens e adolescentes recebam informação científica sobre a sexualidade. Também ninguém contesta que o objectivo de diminuir o número de situações de gravidez precoce entre as adolescentes é correcto. A questão central é a de saber se o caminho adoptado pelo legislador é o mais adequado e, sobretudo, se estão respeitados os direitos das pessoas.
A mais recente iniciativa legislativa parlamentar é um cheque em branco a um futuro governo nesta matéria. De facto, tudo o que é essencial fica dependente de regulamentação pelo governo e não são definidos parâmetros legais em relação a tema nenhum, excepto em matérias administrativas que, estas sim, só pelo governo deviam ser regulamentadas.
Por um lado, portanto, é posto em causa o princípio da determinação e precisão das leis. Por outro, legisla-se em matéria que pode integrar o conteúdo de reserva de administração. Por exemplo, o funcionamento de gabinetes de informação nas escolas, que não serão dirigidos por médicos apesar de terem, entre outras atribuições, a de assegurar aos alunos os "meios contraceptivos adequados".
Pertencerá ao governo estabelecer o conteúdo curricular da disciplina. Mas o diploma em causa nada dispõe quanto aos direitos das crianças nesta matéria e ao modo como os podem exercer. Nada se regula também sobre os direitos dos pais.Recentes episódios divulgados pela comunicação social em que professores têm conversas, no mínimo, inconvenientes com jovens estudantes deveriam aconselhar muita prudência em matéria tão delicada e que se prende com a saúde e o bem-estar físico e psíquico das crianças e jovens. E que, também por essa razão, exige professores com formação específica.
Compreende-se, assim, a preocupação de muitos pais com esta legislação confusa e errada, que coloca no mesmo plano normativo crianças de 6 anos e adultos que terminam o ensino secundário com 17 ou 18 anos.Estas questões são melindrosas e deveriam merecer maior respeito pela Constituição. Esta começa por estabelecer a responsabilidade primeira dos pais na educação dos seus filhos. São as mesmas responsabilidades que a Declaração Universal dos Direitos do Homem e a Convenção Europeia dos Direitos do Homem estabelecem.
Seria correcto pensar que o Estado assume o dever de ensinar os jovens sobre a sexualidade de modo objectivo e de acordo com a sua idade. Porém, se o Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer directrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas (art.º 43.º da Constituição) e se os pais têm primazia na escolha do género de educação a dar aos seus filhos, a resposta própria de um Estado pluralista é a de que tem de reconhecer-se aos pais o direito de opor-se a que os seus filhos recebam conteúdos informativos quando estes ofendem as suas convicções religiosas e filosóficas profundas.
Recorde-se que a orientação do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem vai em três sentidos fundamentais: os pais não podem opor-se ao ensino obrigatório da educação sexual se os fins e o conteúdo do currículo forem objectivos e cientificamente adequados à idade das crianças; tem de ficar assegurado o direito dos pais a aconselhar e guiar os seus filhos de acordo com as suas convicções; as indicações curriculares não podem ser entendidas como uma exaltação da vida sexual e da entrada precoce das crianças em práticas perigosas para a sua estabilidade, saúde ou futuro.

Pedro Barbas Homem, Professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, in Público, 15-Julho-2009

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Aborto como método de contracepção


Infelizmente, tudo o que os pró-vida, a favor do "não" no último referendo previam, está a acontecer.


Durante os debates ouvia-se os pró-abortistas dizerem que não, que as mulheres eram muito responsáveis que nunca recorreriam ao aborto como método contraceptivo, que não haveriam abusos...


Agora é o próprio responsável pelo colégio de Ginecologia da Ordem dos Médicos, Dr. Luis Graça que, conhecedor do dia-a-dia dos abortos praticados, em particular, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa e um dos fervorosos adeptos do "sim" no último referendo, que vem denunciar os abusos que estão a ser cometidos:


- Mulheres que não se preocupam em evitar mais gravidezes indesejáveis.

- Mulheres que recorrem repetidas vezes ao aborto, usando-o como método contraceptivo.


Fonte: Jornal Público

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Posição da AEP sobre Educação Sexual

Transcreve-se, por merecer interesse, o texto seguinte, publicado em http://www.portalevangelico.pt/:
-------------------------------------------------------
EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR - COMACEP, 2009-03-24

Parecer da Aliança Evangélica Portuguesa / Comissão para a Acção Educativa Evangélica nas Escolas Públicas
O Relatório Preliminar do Grupo de Trabalho de Educação Sexual (GTES), criado por despacho da Ministra da Educação, foi divulgado para apreciação pública, com o objectivo de estudar e propor os parâmetros gerais dos programas de educação sexual em meio escolar, no âmbito da educação para a saúde.
Preocupados com o teor dos parâmetros defendidos nesse relatório, a Aliança Evangélica Portuguesa e a Comissão para a Acção Educativa Evangélica nas Escolas Públicas enviou um parecer para a Ministra da Educação, com conhecimento a ambas as Secretarias de Estado e ao Conselho Nacional de Educação (16/09/05).
A COMACEP (Comissão para a Acção Educativa Evangélica nas Escolas Públicas) em reunião de trabalho agendada, entregou na Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular em dezasseis de Março do ano de dois mil e oito um projecto alternativo de educação para a sexualidade, com carga horária de doze horas, baseado na abstinência até ao casamento. O curso defende a abstinência como opção para uma sexualidade saudável e responsável e tem como suporte um manual e um DVD que serve de base à troca de ideias e ao debate sobre o assunto.
Na referida reunião foi proposto que essa Direcção informasse as escolas da existência deste curso. A resposta dada referiu que deveria ser a COMACEP a apresentar o curso pois não compete à DGIDC divulgar os materiais existentes.
Analisando o Relatório Preliminar, o Projecto-Lei nº 634/X e o Projecto-Lei nº 660/X, a Aliança Evangélica Portuguesa e a Comissão para a Acção Educativa Evangélica nas Escolas Públicas consideram que:
1º - Concordamos com uma educação para a sexualidade responsável e saudável; isto é, a ênfase desta educação não deve estar na vertente fisiológica ou dos afectos mas é fundamental que sejam integradas as vertentes emocionais, psicológicas, éticas e morais.
2º - Há que promover uma sexualidade ajudando os adolescentes e os jovens a descobrir a sua identidade de homem ou de mulher, que têm diferenças e semelhanças que se complementam numa relação de respeito e de amor.
3º - Se por um lado nos preocupa o aumento da gravidez na adolescência e das doenças sexualmente transmissíveis, estamos certos que o problema não se resolve com a distribuição de contraceptivos mas com uma sensibilização para uma vida em equilíbrio, respeitando o seu próprio corpo e medindo as consequências físicas e psíquicas a médio e a longo prazo de uma vida vivida com múltiplos parceiros de ocasião.
4º - Discordamos da distribuição de contraceptivos nas escolas pelo que significam de incentivo a uma experiência sexual precoce, e não apenas de prevenção da transmissão das doenças sexualmente transmissíveis.
5º - Qualquer que seja o modelo de educação para a sexualidade que a escola venha a adoptar, deverão sempre ser consultados os Encarregados de Educação. Os Encarregados de Educação e Pais devem ser chamados a decidir sobre o assunto e devem ter opções alternativas relativamente à orientação da referida educação. Esta consulta não se deve limitar às Associações Nacionais nem às Associações de Pais e Encarregados de Educação em cada escola, deve também ter em consideração a opinião dos pais individualmente em cada turma.
6º - A educação sexual para o 1º ciclo deverá limitar-se ao estudo fisiológico dos órgãos sexuais já contemplado nos presentes currículos.
7º - Quer o modelo adoptado pela escola seja transversal, curricular disciplinar ou curricular não disciplinar, não deverá ser obrigatório. A decisão do Encarregado de Educação deve ser respeitada no que se refere a estas matérias.
8º - Nas escolas poderão funcionar modelos alternativos de acordo com as propostas apresentadas e a opinião dos Encarregados de Educação individualmente consultados.
9º - Face à inexperiência de vida e também de formação específica, discordamos da consulta das associações de estudantes em assuntos relativos a estas matérias que tenham carácter deliberativo ou na orientação a imprimir nesta matéria, já que também o mesmo não ocorre em relação aos restantes conteúdos curriculares ou não curriculares.
10º - Propomos como um dos cursos alternativos o que já anteriormente foi referido, apresentado na DGIDC.
11º - Discordamos da integração como monitores, alunos do ensino superior no gabinete de apoio ao aluno.
12º - A Aliança Evangélica Portuguesa através da Comissão para a Acção Educativa Evangélica na Escolas Públicas, encontra-se totalmente disponível a participar activamente na implementação das alternativas a oferecer aos Pais e Encarregados de Educação em cada escola.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Sexo: Liberdade ou Repressão?



É inquestionável que o instinto sexual representa uma das forças mais poderosas que motivam as espécies e, por consequência, a espécie humana. É também a busca de alimento outro determinante fundamental do comportamento de qualquer espécie, na espécie humana chamar-lhe-íamos busca de emprego, oportunidades de trabalho, oportunidades de negócio ou de investimento…

O instinto sexual possibilitou que, geração após geração e pelos séculos dos séculos, a espécie humana se tenha reproduzido eficientemente. O instinto de alimentação fez com que o homem sempre tenha garantido recursos básicos para se manter em boas condições de saúde e forma física, permitindo-lhe viver e sobreviver.

O alimento e o sexo constituem dois estímulos positivos fundamentais que o homem busca, tal como a fome e a dor constituem estímulos negativos de que o homem foge continuamente. A questão que se levanta é saber se nas sociedades actuais, com a sua organização própria, moderna e distinta das sociedades ancestrais, existe uma correcta gestão dessas duas forças estruturantes da sociedade e da economia, ou se pelo contrário as sociedades modernas apresentam maus resultados e má performance na sua forma de lidar com as problemáticas relacionadas com a sexualidade e na sua forma de gerir os recursos básicos.

A sociedade actual é uma sociedade de consumo, e de muito desperdício também, e apresenta crescentes dificuldades em assegurar a sustentabilidade ambiental bem como o necessário equilíbrio económico-financeiro. A moral vigente, por outro lado, caracteriza-se por uma tolerância nunca antes imaginada perante comportamentos anti-sociais e perante atitudes negativas para a estabilidade das famílias, por exemplo a forma permissiva como é encarado o consumo de drogas ou a forma despreocupada como encara a actividade sexual dos jovens, ou ainda a naturalidade surpreendente com que são vistos fenómenos aberrantes como o aborto, equivalente dos nossos dias ao infanticídio praticado a bel prazer na Antiga Roma.

As questões da gestão de recursos e das normas de conduta social na sociedade actual entroncam na defesa do ambiente por um lado e na moral e religião por outro. Torna-se cada vez mais evidente que não existe possibilidade de esbanjar recursos como até aqui e que a crise veio para ficar, e são também cada vez mais evidentes os sinais de ruptura ética e moral e as consequências socialmente nocivas que o excesso de liberdade de comportamentos trouxe.

A produção excessiva de bens, a ocupação sem critério do território, a poluição e contaminação, a concentração da população em cidades, a produção astronómica de resíduos e a impossibilidade prática de repor o equilíbrio através de paliativos como a reciclagem, conduz a um cada vez mais provável colapso ambiental a prazo e à falência inevitável da sociedade de consumo como tal, seja através do esgotamento dos recursos naturais, seja por via da subida em flecha do custo de bens como terra ou matérias-primas agrícolas, na prática duas faces da mesma moeda. Quanto à liberdade sexual, socialmente aceite a partir dos anos 60, vitoriosa com o Maio de 68, e gradualmente ampliada nos 40 anos seguintes sob todos os regimes político-partidários e contextos sociais, coloca também uma série de interrogações à sociedade actual. Em concreto, pergunta-se: conseguiu essa liberdade sexual criar famílias mais estáveis e duráveis? Conseguiu a liberdade sexual criar uma sociedade mais equilibrada, com menos violência por exemplo? Conseguiu a liberdade sexual gerar solidariedade inter-geracional entre jovens, adultos e idosos que permita uma maior protecção na velhice? Conseguiu a liberdade sexual erradicar a prostituição, ou a pedofilia, por exemplo? Conseguiu esta sociedade um nível de natalidade saudável de forma a assegurar sangue novo na actividade económica e na vida comunitária? Conseguiu esta sociedade gerar os excedentes necessários à garantia das pensões futuras? Conseguiu esta sociedade integrar os jovens e as minorias étnicas e evitar os conflitos raciais gerados pela imigração? A resposta é não, não e não. A sociedade actual tem mais violência doméstica, mais famílias desestruturadas, mais jovens drogados e alcoolizados, mais mulheres abandonadas e homens alienados, mais idosos marginalizados, mais crianças abusadas que antigamente; esta sociedade tem muito mais chagas sociais do que a sociedade disciplinada e tutelada em que se vivia há meio século atrás. E, apesar de todos os progressos da ciência e de todos os desenvolvimentos da economia, estamos a caminhar de novo para que haja também cada vez mais pobres que antigamente.

As sociedades actuais desperdiçam todo o tipo de recursos e são predadoras do ambiente na sua busca incessante do lucro imediato, têm essencialmente horizontes de curto prazo e não se importam de sacrificar o meio ambiente, os cursos naturais de água, a paisagem, o património natural e histórico, não se importam de sacrificar a memória e também o futuro, em nome apenas do lucro e do crescimento imediato. Por outro lado, as sociedades modernas têm uma visão vincadamente material, estreita e atávica da vida sexual e na realidade, disponibilizam sexo a jovens e adultos, a troco de nada. Os jovens são incitados à actividade sexual em idade o mais precoce possível e os adultos são compelidos socialmente a aceitar como regra do jogo a legitimidade de relações sexuais na generalidade dos contextos extra-matrimoniais. A família está sob constante ameaça e entra facilmente em auto-dissolução em virtude da facilidade de relacionamentos extra-conjugais, socialmente aceites.

Quão diferentes eram as sociedades de outros tempos, nas quais as regras de convivência implicavam um permanente escrutínio social do comportamento de jovens e adultos. Nelas, o jovem e a jovem só teriam direito a uma vida sexual plena caso provassem e comprovassem a sua capacidade de sustentar a família que iriam constituir, caso demonstrassem as suas qualidades de trabalho e honestidade, destreza, virtude. A pré-selecção e selecção eram levadas a cabo não só pelas partes directamente interessadas, ambos os namorados, como ainda pelos pais de ambas as partes, que com a sua experiência e o seu interesse pelo bem dos filhos validavam ou não as escolhas e os projectos apresentados. Em vez da distribuição grátis de preservativos e de promoção de comportamentos aberrantes, havia uma cultura de exigência e responsabilidade, em vez de uma submissão cega dos adultos aos caprichos e inclinações dos jovens, havia uma cultura de respeito pela opinião e conselhos dos mais velhos e pelo seu juízo nascido da experiência. E o resultado final não era mais do que a produção de homens e mulheres responsáveis e maduros capazes de fundar famílias sólidas, estáveis e duradouras. E em vez de afundar os jovens no facilitismo e no parasitismo, obrigava-os a tornarem-se socialmente válidos, úteis e responsáveis. Ou seja, a sociedade sabia cobrar o seu preço pela satisfação da pulsão sexual e afectiva dos seus jovens, em vez de a desperdiçar sem contrapartidas socialmente válidas.

Abra a Janela


Abra a Janela - Nova e original iniciativa da Ajuda de Berço para angariação de fundos.

Adopção: Pais do coração

"Sou pai adoptivo e biológico e neste momento candidato à adopção, o meu primeiro processo foi à mais de 10 anos e na altura sentimos muita falta de informação e de apoio. Um processo de adopção é sempre doloroso, a maior parte do tempo existe um enorme vazio e sentimos a falta de podermos partilhar com outras pessoas. Após a adopção o sentimento mudou, mas o vazio continuava ali, a necessidade de sentir apoio e de partilhar com outras pessoas que estivessem ou tivessem passado pelo mesmo que nós mantinha-se. Com o tempo criamos um grupo de discussão, o grupo nós adoptamos e foi como uma bola de neve que foi crescendo, fiz parte do grupo que organizou os dois primeiros encontros nacionais de adopção, ambos em Setúbal, e a proximidade com pais e candidatos fez com que interiorizasse a problemática da adopção nas suas várias vertentes."

segunda-feira, 13 de julho de 2009

PS cede a Cavaco e adia polémica lei da eutanásia

O projecto do PS regulando o direito à eutanásia foi apresentado há quase dois meses. (felizmente) Não houve tempo para o levar à votação final

Fonte: Diário de Notícias

domingo, 12 de julho de 2009

Professores não habilitados para educar para a saúde

Professores, pais e Ministério da Educação (ME) estão de acordo num ponto: falta formação aos docentes para lidar com os alunos no que diz respeito às matérias da saúde.

Os próprios professores reconhecem não estar capacitados para dar educação para a saúde, em geral, e, em particular, a educação sexual aos seus alunos.

Só a teimosia de alguns partidos é que ainda não viu isto !

Bébes a dançar

Via Luis Lopes que me enviou o link...


Educação Sexual Estatal


Carta aos Pais de Portugal


Já a partir do próximo ano lectivo a “educação sexual” vai ser obrigatória nas Escolas a partir dos 10 anos (do 6º ao 12º ano). A maioria dos pais desconhece a “educação sexual” que foi aprovada. · Esse esclarecimento pode ser obtido em http://www.move.com.pt/ (vá a MOVE2005, “conteúdos” e veja os slides) e na bibliografia em Anexo. ·


A gravidade das consequências foi alertada numa impressionante “carta aberta aos pais portugueses” de William Coulson, publicada pelo Jornal Expresso em 28 de Maio de 2005, onde diz: ·

«Ficou claro que tínhamos desenvolvido um instrumento perigoso para a saúde dos jovens, que em vez de os enriquecer os destruía. … retirem das escolas esse modelo de educação sexual. Amanhã será tarde demais. Eu ajudei a criar o monstro. Por favor, ajudem-me a matá-lo». · O dramático apelo de William Coulson foi ignorado. E, no próximo ano lectivo, as crianças e jovens de Portugal irão ser as próximas cobaias. ·

Em Inglaterra, Tony Blair, disse, a este propósito, que “Estamos a falhar redondamente na educação sexual. É preciso parar e pensar tudo de novo”. ·


Nos Estados Unidos da América, esses programas já estão a ser reconhecidos como sendo responsáveis por um “desastre nacional”. E nós? Vamos ficar indiferentes face a estes avisos? 1. Seja esclarecido! Vá a http://www.move.com.pt/ e a http://www.plataforma-rn.com/ e veja os slides e a bibliografia em anexo! 2. No acto da matrícula entregue a carta que encontrará em http://www.plataforma-rn.com/ manifestando a sua oposição à frequência do seu filho(a) de conteúdos de “educação sexual” sem seu consentimento prévio! 3. Informe através de info@plataforma-rn.com que entregou essa carta para uma maior visibilidade desta acção.


Divulgue este e-mail ajudando, desta forma, outros pais!


ANEXO- Alguns dos links principais para consulta do assunto ·


http://www.move.com.pt/- MOVE- Movimento de Pais;·

http://www.plataforma-rn.com/- Plataforma da Resistência Nacional (aqui encontra carta a entregar nas escolas no momento da matrícula dos seus filhos);· http://www.apf.pt/cms/files/conteudos/file/PL_eds.pdf?PHPSESSID=zdfxdiiixbehmiae (Lei que estabelece o regime de aplicação da educação sexual nas escolas) ·

http://www.min-saude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/saude+escolar/educacaosexual.htm (portal da saúde, para que conheça as principais linhas orientadoras da educação sexual na escola)· http://www.montemuro.org/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=560&Itemid=2 (Carta aos pais portugueses de William Coulson)·


Em http://www.google.pt/ pesquisem pelo livro “Educar para uma sexualidade Harmoniosa” (livro que evidencia claramente a orientação programática da sexualidade que justifica a nossa grande preocupação).

BeBe.Com

Site brasileiro sobre gravidez, gestação e parto, aqui.

Tanta família sem filhos e tantos filhos sem família

A história de 3 crianças nos corredores da adopção, aqui

Obrigado, mãe

Obrigado porque tiveste na tua vida um lugar para a minha vida, renunciando a tantas coisas boas que poderias ter saboreado. Porque – mais do que isso – fizeste da tua vida um lugar para a minha. E de muitas maneiras morreste para que eu pudesse viver.

Porque não eras corajosa, mas tiveste a coragem de embarcar numa aventura que sabias não ter retorno.

Porque não fizeste as contas para avaliar se a minha chegada era conveniente: abriste simplesmente os braços quando eu vim.

Porque não só me aceitaste como era, como estavas disposta a aceitar-me fosse eu como fosse. Porque dirias "o meu filhinho" mesmo que eu tivesse nascido deformado e me contarias histórias ainda que eu tivesse nascido sem orelhas. E me levarias ao colo mesmo que eu fosse leproso. E, mesmo com tudo isso, me mostrarias com orgulho às tuas amigas. Porque seria sempre o teu bebé lindo.

Devo-te isso, embora não tenha acontecido, porque o farias.

Obrigado porque não tiveste tempo para visitar as capitais da Europa. Porque as tuas amigas usavam um perfume de melhor qualidade que o teu. Porque, sendo mulher, chegaste a esquecer-te de que havia a moda.

Porque não te deixei dormir e estavas sorridente no dia seguinte. Porque foste muitas vezes trabalhar com manchas de leite na blusa. Porque me sossegaste dizendo "não chores, filho, que a mãe está aqui", e estar no teu regaço era tão seguro como dormir na palma da mão de Deus.
Obrigado porque é pensando em ti que posso entender Deus.

Obrigado porque não tiveste vergonha de mim quando eu fazia birras nos museus, ou me enfiava debaixo da mesa do restaurante porque queria comer um gelado antes da refeição. E porque suportaste que eu, na adolescência, tivesse vergonha de que os meus amigos me vissem contigo na rua.
Obrigado porque fizeste de costureira e aprendeste a fazer bolos. Porque fizeste roupas e máscaras para as festas da escola. Porque passaste uma boa parte dos fins de semana a ver jogos de rugby ou de futebol para que – quando eu perguntasse "viste-me, mãe, viste-me?" – pudesses responder com sinceridade e orgulho "é claro que te vi!".
Obrigado por o teu coração ser do tamanho de me teres dado irmãos. Como eu seria pobre se não os tivesse!
Obrigado pelas lágrimas que choraste e nunca cheguei a saber que choraste.
Obrigado porque me ralhaste quando me portei mal nas lojas, quando bati os pés com teimosia, quando "roubei" batatas fritas antes de o jantar estar servido, quando atirei a roupa suja para um canto do quarto.
Obrigado por me teres mandado para a escola quando não me apetecia e inventava desculpas. E por me teres mandado fazer tarefas da casa que tu farias bem melhor e muito mais depressa.
Obrigado por teres mantido a calma quando eu num dia de chuva fui consertar a bicicleta para a cozinha, ou quando arranjei uma namorada de cabelo verde...
Obrigado por teres querido conhecer os meus amigos, e por todas as vezes que não me deixaste sair à noite sem saberes muito bem com quem ia e onde ia.
Obrigado porque eu cresci e o teu coração parece ter também crescido. Porque me deste coragem. Porque aprovaste as minhas escolhas, e te mantiveste a meu lado apesar de ter passado a haver a distância. Porque levantas a cabeça – mesmo sabendo que eu estou muito longe – quando vais na rua e ouves alguém da multidão chamar: "mãe!".
Obrigado por guardares como tesouros os desenhos que fiz para ti na escola quando era, como hoje, o Dia da Mãe. E por ficares à janela a ver partir o carro, quando me vou embora, comovendo-te com os meus sinais de luzes.

Obrigado – já agora... – por não teres esquecido quais são os meus pratos favoritos; por o sótão da tua casa poder ser uma extensão do sótão da minha casa; por teres ainda no mesmo lugar a lata dos biscoitos...


Paulo Geraldo

550 crianças à espera de adopção


Instituições chegam a ponderar separar irmãos para arranjar pais mais facilmente

O número de adopções duplicou nos últimos três anos. Ainda assim, há muitas crianças a quem foi decretada medida de adopção que nunca terão uma família. Há instituições que chegam a ponderar separar irmãos para beneficiar pelo menos um.

Em Portugal há 6799 jovens em instituições e 1867 em centros de acolhimento muito temporário. Ao todo, são 8666 os institucionalizados. Destes, não chegam a um milhar os que são adoptados anualmente. E isto significa uma franca melhoria relativamente ao que tínhamos até há três anos, se tivermos em conta que "anualmente adoptavam-se metade (cerca de 350) das crianças que se adoptam hoje (quase 800)", revelou Guilherme de Oliveira, director do Observatório para a Adopção, em Coimbra.

Nos últimos três anos, colocaram-se mais técnicos a trabalhar na área dos menores em risco, deu-se-lhes formação como jamais havia sido dada, escreveram-se e distribuíram-se manuais de procedimentos, fizeram-se acertos na legislação. Até os juízes passaram, na óptica dos técnicos, a respeitar mais os relatórios sociais e a agilizar os processos segundo as conclusões apontadas.

Decisões questionáveis

Mas, atrás desta agilização de meios e de resoluções, contam-se histórias de decisões dificílimas e até bastante questionáveis.

Neste momento, por exemplo, aguardam pais candidatos à sua adopção 550 crianças (muitas outras já terão sido adoptadas este ano). Em boa verdade, muitas destas que aguardam candidatos a pais nunca serão adoptadas. Porque - mesmo que o juiz tenha decretado a sua adopção - são mais velhas, de etnia diferente, têm um qualquer problema de saúde, ou têm irmãos.

Há instituições que ponderam separar irmãos quando um não tem qualquer hipótese de ser adoptado mas o outro tem; quando um tem um grave problema de saúde e o outro não. Instituições que questionam se devem separar irmãos para que um possa vir a ter uma família; ou se não os separam, porque eles já são uma família, embora assim nunca nenhum possa vir a ter pai e mãe.

Há instituições também que, durante muito tempo, batem o pé a esse tipo de sugestão vinda de instâncias superiores. E a verdade é que Portugal cresceu com esta ideia de que não devem separar-se irmãos que, muitas vezes, ao longo de um duro percurso, foram o suporte uns dos outros.

"Por princípio não devem separar-se os irmãos", confirmou Edmundo Martinho, do Instituto da Segurança Social. Aquele responsável acrescentou, porém, que "pode haver excepções, muito bem estudadas e justificadas". Ainda assim, "nesses mesmos casos, procura-se que quem adopte permita a manutenção dos laços entre os adoptados e os outros que não o foram".

Uma excepção poderia ser o caso de dois irmãos, filhos de pais diferentes, que acabaram por se conhecer apenas na instituição, dois irmãos sem grandes laços . "No caso de irmãos com grande vinculação efectiva não é certo separá-los e os serviços de adopções devem ter isso em conta", conclui Edmundo Martinho.

Resumindo, se, por um lado, as crianças não podem ficar institucionalizadas para sempre; por outro lado, é preciso ter em conta que a agilização do sistema não pode ser a qualquer preço. "As avaliações têm que ser o mais céleres possível mas feitas cuidadosamente", alerta Guilherme de Oliveira, director do Observatório para a Adopção, em Coimbra.

Nas páginas ao lado, contamos uma história de três irmãos sobre os quais pende uma destas decisões. E outras, de meninos que não são loiros e perfeitos, não têm até três anos, mas esperam por família.


Notícia daqui (JN).

sábado, 11 de julho de 2009


Bem vindo ao museu da família!
Neste museu você irá ver e saber acerca deste grupo que está à beira da extinção.
Por volta do ano 2.270 d. C. foram vistas as últimas famílias compostas por pai, mãe e filhos.
Um pouco antes desse período, quase não se via uma mãe ou um pai em casa cuidando dos filhos, do lar e da família. Eles foram trabalhar fora.Já no século XX, era costume o pai ser recebido pelos filhos em casa, após um dia de trabalho. Ele era o provedor do lar. Naquela época as crianças tinham um pai que morava com elas. Este pai convivia com os filhos diariamente e passeava com eles nos fins de semana. Nas apresentações da escola os filhos procuravam o olhar de seus maiores fãs: seus pais. E o aplauso deles era a garantia da felicidade!
Os pais podiam corrigir o erro e disciplinar os filhos. Quando os filhos precisavam de colo tinham um de seus pais por perto para carregá-los a hora que quisessem.
No dia das mães a família toda se reunia na casa da avó e a cama se enchia de presentes dos filhos, dos netos…
Era difícil esperar até o dia dos pais para entregar ao papai o presente feito pelos próprios filhos: A camisa com sua mãozinha, o quadro pintado, o cartão com moldura de gravata...
No tempo da vida em família, a melhor comida era a da mamãe.
Era o papai quem ganhava no jogo de dama ou de bola.
Quantas brincadeiras correndo soltas com os irmãos e primos! Esconde-esconde, casinha, queimada… Os brinquedos espalhados pela casa... Os risos, os choros... Fartura de vida. Casa cheia não só de Pgente, mas de amor e contentamento.
Nas famílias havia coisas que não cabem neste museu: abraços, beijos, lágrimas, risos, personalidades, cachorros, papagaios…
Ah! Os jardins! Eles não poderiam faltar neste museu! As casas tinham jardins. Deles as avós retiravam plantas para enfeitar ou para fazer chazinhos caseiros para os filhos e netos.
Férias também se passavam em família. Na roça, na praia ou na casa dos parentes: estavam todos num feliz ajuntamento. Para eles estarem em família era o que fazia a vida valer a pena!Como se iniciou o processo de extinção das famílias? ... Bem, é uma longa história… Mas, lembre-se que, se você os deixar ir, talvez nunca mais os tenha de volta. Às vezes, nos ocupamos tanto com nossas próprias vidas, que não notamos que os deixamos ir… Outras vezes nos preocupamos tanto com quem está certo ou errado, que nos esquecemos do que é certo e do que é errado. Foi assim que as famílias começaram a desaparecer… Mas hoje temos este museu para visitá-las.Certa vez alguém falou sobre um ciclo de morte que estava se instalando nas famílias. E leu na Bíblia como seria a cura nos Salmos 128.1-6. "Feliz aquele que teme a Deus, o Senhor, e vive de acordo com a sua vontade!” Mas parece que não deram atenção suficiente... E as famílias foram se extinguindo...Nossa visita ao museu termina aqui, com o livro que foi publicado a cerca de dois séculos atrás, no ano de 2008 e falou sobre estes acontecimentos: "Ciclos de vida ou de morte, em qual deles sua família está?"
Envie esta mensagem para todos os seus amigos. Não se surpreenda se algumas famílias forem salvas da extinção.
Texto: Alexa Guerra.
Blog: alexaguerra.blogspot.com


sexta-feira, 10 de julho de 2009

Festas a comemorar ou para subsidiar abortos


Quando se pensa que já batemos no fundo da degradação da civilização humana eis que surge mais uma notícia que demonstra que ainda se pode ir mais fundo:


Festas organizadas por mulheres onde se come, bebe e os convidados divertem-se, com o objectivo de angariar fundos para fazer abortos.


Esta história faz lembrar as festas que se faziam nas tribos antes de se matar os inimigos rivais.


Angariar fundos para a prática de um "assassinato" enquanto os potenciais "doadores" e a mãe do feto que será sacrificado comem, bebem e se divertem ????????

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Bella


Queridos amigos e defensores dos valores da Vida, da Família e da verdadeira Amizade,


É com muita alegria que fazemos o “Balanço” desta iniciativa, e concluímos que de Norte a Sul do País os portugueses (e não só) gostamos de ver filmes positivos que defendam bons valores.
Apesar de termos tido algum trabalho, este foi amplamente recompensado pela satisfação de sabermos que tantas pessoas puderam ver este filme tão edificante. Além disso foi muito divertido e enriquecedor conhecer tanta gente tão fantástica por todo o país, e desde já queremos agradecer aos vários organizadores pelo pais fora :


À Flora Costa e ao casal Faure de Viseu, Ao Nuno Gomes e ao Bruno Almeida de Braga, ao Miguel Reis Cunha do Algarve, ao João Marcelino do Montijo, à Teresa Cordovil de Évora, à Rita Gonçalves, João Paulo Pedrosa e Zé Bandeirinha de Coimbra, e a tantas outras pessoas que se empenharam na difusão desta iniciativa.


Para o ano temos as portas abertas para repetir caso haja outros filmes bons que não tenham tido êxito comercial, como aconteceu com o “BELLA, para o que contamos com todos vocês.
Número de pessoas que viram o “BELLA”

Lisboa, Cascais, Almada: 1014 pessoas em 7 sessões

Montijo: 75 pessoas em 1 sessão

Évora: (Anfiteatro cheio) 67 pessoas, 1 sessão, várias em fila de espera

Algarve: 51 pessoas, 1 sessão

Viseu: Sala cheia – 176 pessoas 1 sessão , e várias em fila de espera

Braga: 4 sessões, 424 pessoas

Coimbra 1 sessão, sala Cheia 123 pessoas


Cada cidade ficará com uma comissão de 10% das vendas de bilhetes prometida pela Lusomundo, para reverter para qualquer causa em defesa da vida ou da família. TOTAL (até à data) 1960 pessoasAinda haverá uma última sessão em Coimbra dia 14 de Julho às 21.30 para quem puder assistir.


Muito Obrigada e até à próxima sessão de cinema positivo e familiar

Paula Pimentel Calderón Inês Freitas Forero
-- Paula Pimentel Calderónhttp://www.emergenciasocial.pt/

O amor é...


O amor não consiste em olharmos apaixonadamente um para o outro, mas em olharmos juntos na mesma direcção


Antoine de Saint-Exupéry (1900-44)


Via O Povo